Featured Video

14 julho 2011

Patrulharam e patrulham Romário, mas ele é um deputado exemplar. Deixem o Baixinho trabalhar!

Amigos, desde a candidatura do baixinho Romário a deputado federal pelo PSB do Rio ele se viu envolvido por uma aura de patrulhamento preconceituoso vindo de determinados setores.

Colocaram desde o início o ex-craque num rol de candidatos folclóricos, parte do rol de aventureiros que toda eleição tentam a sorte com base em sua notoriedade. Os Tiriricas da vida. E não é nada assim.

Por ser uma personalidade muito conhecida, o Baixinho tem menos legitimidade como candidato e, agora, como deputado eleito do que outros? Por acaso lhe são superiores, moralmente, os mensaleiros que continuam na Câmara, por ora impunes? Ou os ladravazes que se beneficiaram do esquema de roubalheira do pouquíssimo republicano Partido da República no Ministério dos Transportes? Ou, ainda, os oportunistas que usam igrejas fabricantes de dinheiro para fazer carreira política? Ou deputados tucanos, do DEM, do PPS, do PT, de qualquer partido?

Romário não é santo, todo mundo sabe, mas é um homem inteligente, um ex-favelado que abriu caminho na vida com sua arte nos pés, viveu e trabalhou em diferentes países , passou por experiências ricas, dispõe de uma personalidade forte e, tendo ganho (e perdido) muito dinheiro, nunca deixou de manter uma aguda consciência social.

Não estou dizendo nenhuma novidade para quem já leu ou ouviu alguma entrevista mais longa com o ex-craque.

No Twitter do deputado, um cretino fundamental

Pois bem, agora vem a público uma suposta polêmica com a troca de mensagens do deputado Romário com alguns de seus seguidores no Twitter por ter o ex-craque se recusado a fazer o teste do bafômetro numa blitz da Lei Seca no Rio.

Quem se inteirou do caso percebe que o Baixinho começou bem, dizendo que ali é um espaço democrático, que as pessoas podem opinar e criticar à vontade etc. Suas respostas atravessadas começaram com a intervenção de internautas grosseiríssimos e ignorantes, que partiram para o palavrão e a ofensa pessoal. Um, especialmente boçal, xinga Romário de “m…” e conclui: “Ainda diz que é deputado, que faz medida provisória, por que não definitiva?”

Esse cretino fundamental naturalmente não faz a menor ideia do que é a medida provisória com força de lei prevista na Constituição, proposta do Executivo ao Congresso que pode ser emendada, alterada, aprovada ou rejeitada pelo Legislativo. E deve estar se referindo, na verdade, a algo positivo realizado pelo deputado-craque, que conseguiu, na semana passada, ver a Câmara aprovar uma emenda sua à Medida Provisória nº 529/2011 que beneficia portadores de deficiência, ampliando a concessão do chamado Benefício de Prestação Continuada, destinado a idosos e pessoas incapacitadas para a vida independente.

O Baixinho tem a defesa dos portadores de deficiência como um de seus pilares de atuação, espécie de homenagem que presta à filha Ivy, de 6 anos, que nasceu com a Síndrome de Down e que Romário qualifica como “um anjo que Deus me deu de presente”.

Criticam sem saber o que ele faz em Brasília

Ficam patrulhando o Baixinho — já lhe baixaram o sarrafo na primeira semana como parlamentar, com críticas por ter passado uma tarde na praia, no Rio –, mas deveriam se informar melhor sobre sua atuação parlamentar. Ela é simplesmente EXEMPLAR.

Romário foi um dos raríssimos deputados, entre o 513 da Câmara, a ter 100% de presença nas 55 sessões deliberativas realizadas no primeiro semestre no plenário e 100% de presença nas reuniões das duas Comissões que integra, as de Turismo e Desporto e de Educação e Cultura, além de haver apresentado 32 projetos ou emendas.

Visite você mesmo a página de Romário na Câmara e confira nos diversos links em azul sua atuação, sua presença no plenário e nas comissões de que faz parte e outras atividades.

Que parem de patrulhar o deputado. Deixem o Baixinho trabalhar!

por Ricardo Setti

[FONTE: Blog do Ricardo Setti no site da Revista Veja]

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More