Featured Video

28 junho 2011

Bruno confirma esquema de extorsão e reforça ameaças de delegado

O goleiro Bruno prestou depoimento na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, nesta terça-feira, e acusou a juíza, Maria José Starling, de oferecer a ele liberdade, caso o processo fosse transferido para as mãos dela na comarca de Esmeraldas. A proposta teria sido feita numa audiência de instrução e julgamento, em 2010, na cidade.

Segundo Bruno, a magistrada o chamou para uma reunião privada, sem escolta policial, e fez a proposição durante a “conversa informal”. Starling é acusada de tentar negociar um habeas corpus que facilitaria a liberdade do ex-atleta por R$ 1,5 milhão. A negociação seria feita com junto com o advogado Robson Pinheiro, indicado pela magistrada. Bruno alega que, por meio desse advogado, recebeu livros com mensagens de apoio enviadas pela juíza. O advogado levava os recados se referindo à juíza como uma “amiga”, para disfarçar os agentes penitenciários sempre presentes nos encontros do detento com Pinheiro.

Ao ser interrogado sobre as intenções da juíza Bruno afirmou que, a primeira impressão era de que Satarling queria ajudar. “À primeira vista ela foi muito humana comigo. Eu acreditei nela”, disse o detento. Bruno achava que a magistrada não estaria interessada em dinheiro, mas sim em ajudá-lo a responder ao processo em liberdade.


Denúncia contra delegado

Bruno acusou, durante a audiência, o delegado Edson Moreira de ameaçar a segurança das filhas do ex-atleta. O chefe do Departamento de Investigações teria pedido R$ 2 milhões a Bruno pra livrar a culpa dele solicitando que o goleiro jogasse a culpa do sumiço de Eliza sobre Luiz Henrique Romão e sobre o menor envolvido no crime. Porém, Bruno negou que faria essa “covardia” com os amigos”.

Futuro

“E quero sair dali (Nelson Hungria) com a cabeça erguida”, disse Bruno. O ex-atleta negou envolvimento no desaparecimento de Eliza e disse que precisa de liberdade para lutar contra as acusações. “Por que não começam a procurar ela viva? Por que tenho que passar por toda essa humilhação onde as pessoas me olham com olhar de ódio e esquecem do que fiz, do que sou. Eu sou inocente. E acredito que todas as pessoas envolvidas no caso também são”, disse Bruno.

Caso Bruno

Depois de se relacionar com Eliza Samudio em 2009, o goleiro Bruno Fernandes passa a ser pressionado pela mulher para assumir a paternidade de uma criança. No mesmo ano, ela presta queixa contra o jogador na Justiça carioca por agressão e por forçá-la a abortar. Em 9 de junho de 2010, a modelo chega ao sítio do jogador em Esmeraldas, supostamente para resolver a situação. Após o dia 10, ela não foi mais vista. A polícia recebe denúncia anônima em 24 de junho sobre o suposto assassinato, que envolveria outras oito pessoas. A Justiça decreta a prisão de Bruno em 6 de julho. O atleta responde por homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver, crimes cujas penas somadas variam de 14 a 36 anos de prisão. 

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More