Featured Video

02 agosto 2009

Um passeio pela Sarneylândia

FONTE: Revista Época

O plenário da antiga sede da Assembleia Legislativa do Maranhão, no centro de São Luís, ostentava em suas paredes dois símbolos que contam muito sobre a história do Estado. De um lado, ficava um crucifixo, símbolo católico comum em repartições públicas brasileiras. No lado oposto, na mesma altura do crucifixo, havia um letreiro dourado com a frase “Não há democracia sem Parlamento livre”, assinada pelo senador José Sarney (PMDB-AP), ex-presidente da República e ex-governador do Maranhão.

Em novembro do ano passado, a Assembleia mudou de endereço. Trocou o antigo prédio da rua Egito por uma edificação maior, recém-construída num bairro distante do centro. Com a mudança, os deputados resolveram mexer na decoração do plenário. Sem alarde, optaram por não levar o crucifixo para o novo endereço, já que a presença da peça católica no local costumava render reclamações de ateus, evangélicos e pessoas sem religião. Dispensaram Jesus Cristo. No letreiro de Sarney, porém, ninguém ousou mexer. Sua frase foi reinstalada no novo plenário, exatamente como aparecia na antiga sede.

A presença do sobrenome Sarney em instituições públicas e privadas é comum no Maranhão. O campeão em homenagens é José Sarney, que virou até município. Presidente Sarney, no noroeste do Estado, tem cerca de 15 mil habitantes e Índice de Desenvolvimento Humano 0,555, patamar parecido com o de Gana, país africano que aparece na 135ª posição do ranking mundial. Roseana Sarney (filha), Marly Sarney (mulher), Sarney Filho (filho), Kiola Sarney (mãe), Sarney Costa (pai) e até Fernanda Sarney (neta) são alguns dos outros homenageados em ruas, travessas, escolas, edifícios, tribunais e vilas, na capital e no interior.

Há poucos dias, a governadora Roseana Sarney (PMDB) enviou um documento ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) solicitando a retirada de seu nome da fachada da instituição. A ordem chegou após duas decisões do Tribunal de Justiça do Maranhão determinando a remoção dos nomes de políticos vivos dos logradouros públicos do Estado. Desde 2002, quando foi inaugurado, o nome oficial do prédio do TCE é Palácio Governadora Roseana Sarney Murad. É lá que os técnicos e conselheiros devem analisar a legalidade das contas da administração da própria Roseana. Poucos dias antes do pedido, o nome de Roseana já havia sido retirado da fachada do prédio, mas ainda é possível ver a marca do letreiro antigo na parede.

Roseana divulgou que passou o mesmo tipo de recomendação aos seus secretários e aos prefeitos do interior. Ela não quer mais ver seu nome estampado em instituições públicas. Se a mesma regra for aplicada em todos os locais que ostentam o sobrenome Sarney, os maranhenses terão que gastar muita tinta. Num passeio de apenas um dia por São Luís, um dos 217 municípios do Estado, ÉPOCA encontrou 12 estabelecimentos e logradouros batizados com o nome de alguém da família.

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More