Featured Video

27 maio 2009

Coreia do Norte lança 6º míssil em 3 dias e ameaça Coreia do Sul


FONTE: Folha online

A Coreia do Norte manteve nesta quarta-feira a provocação às críticas internacionais. Depois de lançar, pelo terceiro dia consecutivo, um míssil de curto alcance em sua costa leste, o regime de Pyongyang encerrou o armistício assinado em 1953, após a Guerra das Coreias, e ameaçou atacar a vizinha Coreia do Sul como retaliação por aderir à iniciativa americana contra o tráfico de armas de destruição em massa.

A imprensa norte-coreana relata ainda que o país retomou a atividade de produção de plutônio com fins militares.

O regime comunista, que argumenta estar "defendendo sua segurança", ainda não afirmou o que pretende obter da comunidade internacional com tantos desafios às críticas --que incluem até mesmo a sua principal aliada China-- e até mesmo a violação da resolução do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas), que estuda agora um novo texto contra o país asiático.

A escalada da tensão começou com o teste nuclear anunciado na segunda-feira (25) pelo regime norte-coreano e que originou uma grave crise internacional. Nesta segunda-feira, o Conselho de Segurança concluiu que o segundo teste nuclear feito pela Coreia do Norte violou a resolução emitida pelo conselho em 2006, quando o regime norte-coreano fez seu primeiro teste nuclear.

Analistas afirmam que a Coreia do Norte quer pressionar Washington e o governo do novato Barack Obama para ter uma posição privilegiada ao exigir o fim das sanções econômicas e o reconhecimento diplomático na mesa de negociações pela desnuclearização.

A Coreia do Norte ameaçou nesta quarta-feira atacar a Coreia do Sul como reação assim à decisão tomada nesta terça-feira por Seul de aderir à iniciativa americana contra o tráfico de armas de destruição em massa (PSI, na sigla em inglês), que permite a abordagem de navios suspeitos.

A Coreia do Norte anunciou que responderá com um ataque militar se seus navios forem interceptados e que também não garante a segurança dos navios estrangeiros no mar Ocidental (mar Amarelo), onde em anos recentes os dois países mantiveram confrontos armados.

O presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, agradeceu à população a "maturidade" com que está recebendo as ameaças norte-coreanas.

Uma fonte militar afirmou à agência Yonhap que seu país tem superioridade naval e repelirá qualquer ataque.

A península coreana é uma das áreas mais militarizadas do mundo, com 1 milhão de soldados da Coreia do Norte, 655 mil da Coreia do Sul e outros 28.500 militares americanos assentados em território de seu aliado sul-coreano desde o final da Guerra da Coreia.


Mísseis

A Coreia do Norte lançou também nesta quarta-feira (terça-feira no Brasil), pelo terceiro dia consecutivo, um míssil de curto alcance em sua costa leste, informaram fontes oficiais sul-coreanas citadas pela Yonhap, agência estatal de notícias da Coreia do Sul.

Fontes da Presidência da Coreia do Sul disseram à Yonhap que, pouco depois de 9h (21h desta terça-feira no horário de Brasília), a Coreia do Norte disparou outro míssil de terra em direção ao mar do Leste.

Fontes sul-coreanas disseram à Yonhap que o regime de Kim Jong-il estaria preparando lançamentos adicionais na costa oeste de mísseis anticruzeiro KN-01, similares aos Silk Worm e com um alcance máximo de 160 quilômetros. O objetivo seria desencorajar sobrevoos espiões sul-coreanos e norte-americanos no país.

A Coreia do Norte proibiu a navegação de navios entre os dias 25 e 27 em uma região do litoral oeste da província de Pyongan do Sul, e, por isso, não se descartam lançamentos de outros foguetes. Fontes da defesa sul-coreana estimam que a Coreia do Norte tem, no total, 800 mísseis, entre eles alguns de longo alcance Taepodong, como o que lançou em 2006, e 200 Rodong, com alcance de 1.300 km.


Plutônio

A Coreia do Norte voltou ainda a processar combustível nuclear para produzir mais plutônio com fins militares, informa a imprensa sul-coreana.

O jornal "Chosun Ilbo" afirma que testemunhas viram a saída de vapor recentemente de uma área de Yongbyon, ao norte de Pyongyang, um sinal de que foram reativadas as instalações que produzem plutônio, que pode ser utilizado na fabricação de bombas nucleares.

"Os satélites espiões americanos detectaram vários sinais, como o vapor de água, que mostram que as instalações de tratamento, que estavam paralisadas, foram reativadas", informa o jornal.

A Coreia do Norte anunciou em 14 de abril a retirada das negociações do Grupo dos Seis (Rússia, Coreia do Norte e Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão e China), o fim da cooperação com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e a reativação das instalações nucleares, depois que o país foi condenado no Conselho de Segurança da ONU pelo lançamento de um foguete no último dia 5 de abril.

Pyongyang havia se comprometido em fevereiro de 2007 a fechar as instalações de Yongbyon que produzem plutônio, material que pode ser utilizado na fabricação da bomba nuclear.

O "Chosun Ilbo" destaca que se Coreia do Norte processar 8.000 barras de combustível de Yongbyon pode obter entre seis e oito quilos de plutônio, o suficiente para fabricar uma bomba nuclear.

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More