Featured Video

03 fevereiro 2009

Genro tem visão ideológica e apoia ideias da guerrilha, diz chanceler italiano

FONTE: Globo.com

O chanceler da Itália, Franco Frattini, acusou nesta terça-feira (3) o ministro brasileiro da Justiça, Tarso Genro, de "apoiar ideias de guerrilha" e de ter confundido os anos 1970 do Brasil com a situação vivenciada na Itália no mesmo período.

O caso de Cesare Battisti, no Brasil, foi analisado "por um ministro da Justiça que tem uma visão ideológica e política muito evidente, de aberto apoio às ideias de guerrilha", disse Frattini em declarações a uma emissora de rádio local.

Genro fez "uma enorme confusão entre a situação ditatorial que infelizmente seu país enfrentou nos anos 70 com o que aconteceu na Itália, que vivia uma democracia", afirmou o ministro ao comentar a decisão do ministro brasileiro de conceder status de refugiado político a Battisti, que é condenado na Itália à prisão perpétua.

A posição do Brasil "é errada juridicamente e inaceitável politicamente" e "preocupa muito o preceito de que se possa colocar em discussão a democracia de um país-membro da União Europeia", declarou Frattini, voltando a afirmar que seu país "fará tudo o que for possível para que ele [Battisti] seja extraditado e cumpra sua pena".

Frattini também condenou mais uma vez as declarações feitas por Genro, que, na última semana, havia afirmado que Itália ainda vive sobre os "anos de chumbo", enquanto o Brasil passa por um processo de "pacificação política".

A Itália "soube fazer justiça dentro da legalidade, sem violar os direitos humanos, em um sistema judiciário absolutamente democrático fez jus a muitos crimes", mas "ainda hoje há quem não pense nas razões das vítimas, ao contrário, pensa nas dos assassinos", disse.

Os anos de chumbo não podem acabar em "uma anistia generalizada", uma anistia deveria ser de fato "a conclusão de um percurso com uma forte autocrítica e um arrependimento sincero e não um arrependimento para reduzir as penas", disse.

Sobre as recentes declarações de Battisti, em entrevista à imprensa brasileira, Frattini afirmou apenas que "são palavras de menosprezo a dor das vítimas" e "não ouviremos palavras de verdadeiro arrependimento".

Condenado na Itália por quatro homicídios cometidos na década de 1970, Battisti obteve do Brasil o status de refugiado político, o que desatou um conflito diplomático com a Itália. Na ocasião, Genro argumentou que sua decisão se baseou no "fundado temor de perseguição" existente contra o ex-ativista do grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) em sua terra natal.

O ex-militante, de 54 anos, aguarda agora a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que poderá ratificar o status de refugiado político ou ordenar sua extradição, como exige a Itália.

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More