Featured Video

Visão Mundial

Somos uma organização não governamental cristã, brasileira, de desenvolvimento, promoção de justiça e assistência, que, combatendo as causas da pobreza, trabalha com crianças, famílias e comunidades.

Wikileaks

Somos uma organização sem fins lucrativos dedicada a trazer informações importantes para o público.

Greenpeace

Somos uma organização global e independente que atua para defender o ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem atitudes e comportamentos.

Associação de Assistência à Criança Deficiente

Somos uma entidade privada, sem fins lucrativos, que trabalha há 60 anos pelo bem-estar de pessoas com deficiência física.

Médicos Sem Fronteiras

Médicos Sem Fronteiras é uma organização médico-humanitária internacional, independente e comprometida em levar ajuda às pessoas que mais precisam.

31 outubro 2007

MIGUEL... mais um significado do que é Graça de Deus



No dia 28/10/2007 às 10:08h da manhã, nasceu em BH nosso filho: um presente inestimável de Deus para nós.


Miguel Moutinho chegou com 3530Kg e 50cm. Uma alegria impossível de ser transmitida por qualquer junções de palavras.


Ele, assim como minha esposa, são para mim significados do que é Graça de Deus. São presentes de valores imensuráveis que Deus, por livre e espontânea vontade, deu-me; sem, em nenhum momento, levar em conta o que sou.


É totalmente imerecido.


É totalmente amor do Pai.


É simplesmente Graça.


Sei que Deus traçou cada pedacinho da vida do Miguel quando ainda era uma substância sem forma e desconhecida para eu e minha esposa. Acompanhar cada momento através dos ultrassons foi sentir Deus criando Vida, demonstrado - mais uma vez - um amor inimaginável.


Seu rostinho pela primeira vez ante meus olhos... seu primeiro choro entrou como uma música única que irradiou uma alegria desproporcional no meu interior.

Neste momento sou silêncio em pedir algo a Deus.

Neste momento sou falas, pensamentos e gestos em gratidão a Deus.


Obrigado Pai por tão belas,raras e preciosas jóias que o Senhor me deu.

Riva Moutinho

BH

26 outubro 2007

CPMF não garante novos investimentos na saúde, aponta FGV

FONTE: Estadão

SÃO PAULO - Em meio à discussão sobre a aprovação da prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) pelo Senado, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou nesta sexta-feira, 26, uma pesquisa que mostra que apenas uma pequena parcela do que foi arrecadado pelo governo com o tributo, entre 2001 e 2006, foi destinado a investimentos na área de saúde - sua principal finalidade.

Veja também:

link Entenda a cobrança da CPMF especial

linkPSDB afirma que governo não tem votos para aprovar CPMF

linkRepasse maior da CPMF a Estados é irreversível, dizem aliados

Segundo o estudo, coordenado pela pesquisadora e professora da FGV Tathiane Piscitelli, do total de recursos da CPMF destinado ao Ministério da Saúde, a maioria - quando não tudo - é utilizada para o pagamento das chamadas despesas correntes. Isso significa que o dinheiro destinado à saúde vem sendo utilizado para custear o sistema de saúde, e não para melhorar o serviço no País, investindo em novos equipamentos, hospitais, entre outros.

Para Tathiane, a destinação desses recursos está errada. "Não é com contribuição que você tem que custear essas despesas, mas com impostos", disse. Segundo ela, a contribuição serve para melhorar o setor para o qual é destinado, e não para custeá-lo.

Sistema

"A CPMF não agregou positivamente a área da saúde", afirmou. O estudo foi feito com base nos dados do Siga Brasil, do Senado, que compila informações de gastos do governo a partir de impostos. O sistema é aberto para os cidadãos brasileiros.

Segundo Tathiane, porém, os dados disponíveis à população não permitem saber exatamente para onde foi o dinheiro empenhado e/ou gasto pelo ministério. Isso porque o chamado sub-elemento da despesa, aquele que mostra quem de fato recebeu esse dinheiro, não é apontado pelo Siga.

"Com as informações eu não consigo saber se o gasto com material de consumo é despesa para remédio ou é despesa de papel e caneta. Pode ser remédio, inclusive porque a despesa está classificada na função saúde. Então ela vai pra saúde. Mas o que é ir para a saúde? Ir para a saúde é pagar ascensorista ou é pagar o médico que trabalha nos hospitais?", questionou.

Recursos disponíveis X recursos autorizados

A pesquisa mostrou também que só cerca de 55% do que é arrecadado com o tributo é de fato distribuído entre as áreas de saúde, Previdência e para a erradicação da pobreza, como é previsto em lei.

Em gráfico, Tathiane mostra que, do total arrecadado pelo governo, subtrai-se, em primeiro lugar, os 20% previstos na Desvinculação de Receitas da União (DRU), porcentual que o governo não é obrigado a gastar.

Assim, 80% do montante fica disponível para ser distribuído. No entanto, isso não acontece. Segundo Tathiane, há uma diferença de cerca de 23% entre os recursos disponíveis e os autorizados para o encaminhamento aos ministérios.

A pesquisa não abordou para onde vai o dinheiro que está disponível e não é gasto. Uma hipótese levantada pela pesquisadora é que ele seja somado ao superávit primário do País - receitas menos despesas, antes do pagamento de juros da dívida.

Presente ao seminário, o presidente da ONG Transparência Brasil, Eduardo Capobianco, afirmou, porém, que não basta utilizar todos os recursos. "Mesmo que se gastasse tudo que estava disponível, seria necessário gastar bem", disse.

Segundo ele, "se nós nos preocuparmos apenas com a aplicação desses recursos e não com a eficácia dos gastos, estamos caindo em uma armadilha".

24 outubro 2007

Jogadas de petistas em ONGs e no escândalo da Cisco obrigam governo a negociar perdão mútuo com tucanos

Por Jorge Serrão

FONTE: Alerta Total

O sinal vermelho, de pânico, acendeu na cúpula petista. A CPI das ONGs no Senado decidiu ontem que vai priorizar a investigação de 50 organizações que receberam pelo menos R$ 2 milhões do governo federal. Quem não gostou nada disso foi a senadora petista Ideli Salvati (SC). Algumas ONGs de Santa Catarina – que tem petistas na administração – ficam enquadradas no critério “para investigação”. O objetivo oculto da CPI é investigar se as ONGs repassam dinheiro para esquemas político-eleitoreiros ou se fazem pagamentos em esquema idêntico ao mensalão.

A Polícia Federal gravou, na investigação da Operação Persona, conversas telefônicas de empresários do setor de informática que comprometem o partido político no poder. Nas conversas grampeadas, os investigados relatam "doação" de R$ 500 mil ao PT. Os interlocutores sugerem que o dinheiro seria contrapartida de algum tipo de benefício em licitação da Caixa Econômica Federal. A operação Persona deteve 42 acusados de envolvimento na sonegação de R$ 1 bilhão e 500 milhões – envolvendo, principalmente, os dirigentes da transnacional Cisco Informática.

O pânico petista obrigou o governo a jogar pragmaticamente no Senado. Não foi de graça que a Mesa Diretora decidiu ontem, por unanimidade, arquivar a representação contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG). O tucano é acusado de envolvimento no escândalo do mensalão mineiro. O argumento dos membros da Mesa foi de que uma representação de conteúdo idêntico já fora arquivada na legislatura passada.

O PT e sua base governista amestrada deram sinais de tolerância com o PSDB, para indicar que futuras investigações no Congresso não peguem tão pesado contra o governo ou seu partido príncipe.

Novas aves governistas

Tudo indica que a salvação de Azeredo teve um preço bem alto para a oposição – e nós vamos pagar a conta.

Maior bancada de oposição ao governo Lula, os tucanos do PSDB resolveram, de repente, voar em direção à aprovação da CPMF.

Negociam maior fatia do tributo para a saúde, redução progressiva da alíquota do imposto do cheque, hoje em 0,38%.

Mais favoráveis

O senador Artur Virgílio comenta que a bancada tucana está mais favorável ao governo do que há uma semana.

Os senadores Eduardo Azeredo e Sérgio Guerra (PSDB-PE), negaram enfaticamente qualquer acordo com o PT.

Mas Guerra reconheceu que, em caso de abertura de processo, o clima ficaria mais quente.

Receita ruim

Na Internet, também circula uma “receita” de como se cria um Deputado:

1 Nota de dólar
1 Dose de falta de caráter
1 Dose de ganância
1 Dose de mentira
1 Pitada de merda

Obs: Não exagerar na merda, senão você cria um presidente.

23 outubro 2007

Renascer diz que está perplexa com declarações do MP

FONTE: Globo.com

A Igreja Renascer em Cristo divulgou nota nesta terça-feira (27) para contestar as declarações do promotor de Justiça Marcelo Mendroni e o do delegado do Grupo de Operações Táticas (GOE) da Polícia Civil Antônio Sucupira Neto.

Eles apresentaram material apreendido em três unidades assistenciais mantidas pela Igreja Renascer. As ações foram feitas no bairro de Heliópolis, na Zona Sul de São Paulo, em Franco da Rocha e em Santana do Parnaíba, na região metropolitana.

Na nota, a igreja afirma que está perplexa com as acusações levantadas pelo promotor e convida os jornalistas a conhecer as entidades beneficentes.

"A Igreja Apostólica Renascer em Cristo, mais que indignada, está perplexa com as "acusações" contra três de suas entidades assistenciais", diz o texto. A instituição afirma que o atendimento nestas unidades é gratuito e os gastos são de responsabilidade da Renascer e da Fundação Renascer.

A Renascer negou a acusação, apresentada pelo Ministério Público, de que as crianças atendidas na instituição de Heliópolis, na Zona Sul, têm que trabalhar para garantir assistência. "O trabalho infantil denunciado limita-se a arrumar a cama."

A nota afirma também que o promotor Marcelo Mendroni agiu por "ressentimento", porque está sendo processado pela Renascer. E acusa o Grupo de Operações Táticas (GOE) de entrar fortemente armado nas instituições – acusação que os policiais negaram durante a entrevista coletiva.

As denúncias

De acordo com o Ministério Público, as entidades que cuidam de crianças recebiam recursos insuficientes para manutenção e as crianças tinham de trabalhar para ser atendidas. "Se algum dinheiro era colocado nestas entidades, era uma quantia ínfima", disse. Uma diretora chegou a ser levada à delegacia porque a unidade de Franco da Rocha apresentava feijão com data de validade vencida, diz a Promotoria.

"Nós chegamos à conclusão de que eles, apesar de alegarem que recebem doações de fiéis para cuidar de entidades assistenciais, não fazem nada disso. As entidades estão em situação triste de degradação. A conclusão da promotoria é que o dinheiro que eles recebem dos fiéis também serve para engordar o patrimônio pessoal dos Hernandes. As instituições servem como pano de fundo para aumentar o valor da arrecadação", disse Mendroni.

As visitas às três entidades foram realizadas em 10 de outubro. Os donos da Renascer, Estevam e Sônia Hernandes, disseram em depoimento ao Ministério Público que o dinheiro arrecadado dos fiéis é utilizado para manutenção das três entidades assistenciais. As diligências foram determinadas dentro de um dos dois processos de lavagem de dinheiro que a família Hernandes responde à Justiça brasileira.

O promotor Mendroni afirma que apenas uma das empresas da Renascer movimentou R$ 46 milhões nos últimos anos. Para ele, a situação física das entidades demonstra que elas recebem muito pouco desse dinheiro.

Mendroni afirma que a intenção inicial do MP ao realizar as diligências era “fazer prova” a favor da Renascer, ou seja, mostrar que o dinheiro arrecadado realmente ia para as entidades. No entanto, a realidade mostrou o contrário.

Nas diligências, os policiais do GOE encontraram planilhas que demonstram que as unidades têm arrecadação própria e devem atingir metas. "Estas entidades têm arrecadação própria que não tem a ver com aquela dos fiéis", disse Mendroni.

22 outubro 2007

A IGREJA DOS HOMENS

Por Riva Moutinho


Jesus nunca disse não ao meu ir a Ele e nunca disse: afasta-te de mim; estando eu próximo a Ele.

Se por um lado o catolicismo instituiu a excomunhão, por outro, o protestantismo, o judaísmo e outras nomearam a exclusão. No fundo ambas significam a mesma coisa: excluir, retirar do meio... ambas são atos de condenação, ao qual, sentencia o excluído ou o excomungado a viver fora do grupo ao qual pertencia, logo esse ser condenado torna-se proibido de congregar, de compartilhar, de usufruir o que as demais pessoas pertencentes ao grupo usufruem.

Quando vejo tal ato condenatório sendo realizado em outros lugares como em empresas, partidos políticos ou em grupos de amizades, em nada me causa estranheza, no entanto, como podem as igrejas, que se consideram Igrejas de Cristo realizarem tal ação? Ainda que houvesse discordância de alguém com relação à interpretação ensinada, poderiam estas excluírem, dos seus meios, alguém? Sendo estas igrejas – como elas mesmas dizem – igrejas seguidoras de Cristo; teve Jesus a mesma ação em relação a alguma oposição?

A razão destas igrejas religiosas excluírem seus membros é simples: Lembra de um dito popular que uma maçã podre estraga todas as outras boas estando esta no mesmo saco? A diferença é que a “maçã podre” são aqueles que duvidam, que colocam em “cheque” a instituição, que se levantam para dizerem: “Olha, vocês estão fazendo coisas que não estão na Palavra.”, ou seja, são todos aqueles que desafiam os poderes e status adquiridos, ao longo dos tempos, por estas instituições.

Lutero foi excomungado pelo papa Leão X, o rei Henrique VIII, da Inglaterra, não obtendo permissão para divorciar-se e casar-se novamente, o fez, por conta própria em 1533, gerando a fúria do papa Clemente VII que o excomungou; o rei Afonso II, de Portugal, após investir grandes quantias dos lucros, que seriam destinados à Igreja Católica, para unificar seu país, teve sua excomunhão decretada pelo papa Honório III.

Independente da religião, exemplos não nos faltariam; então, se a questão é poder, porque então agem em nome de Deus? Se a questão é dinheiro, por que não agem em nome próprio? A resposta é simples: São todas as mentiras que criaram que os sustentam e é o desconhecimento do povo à Palavra de Cristo que os perpetuam neste poder perverso.

Jesus nunca excluiria alguém. No exemplo de João 4:1-18, a mulher samaritana, nem por questões políticas-sociais-culturais, foi excluída de um bate-papo a sós. Em João 8:1-11, a Lei não fez Jesus condenar à adúltera. Em João 13:1-11, Jesus lava os pés dos discípulos, incluindo o de Judas, o qual, mesmo tendo conhecimento que seria traído, não impôs restrições. As negativas de Pedro em João 18 não levaram Cristo a excluí-lo do meio dos discípulos. E nem a Saulo de Tarso que foi perseguidor implacável dos cristãos de sua época.

Cristo veio para incluir e não para excluir. Por isto Ele deu a sua própria vida: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16) Aquele que vai a Ele, Nele está: “... e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora.” ( João 6:37) E mais, Ele diz em João 10:28: “... ninguém as arrebatará da minha mão.” e repete, incisivamente, no verso seguinte: “... ninguém pode arrebatar.”

Logo, se Jesus se dá por nós, nos incluindo, e nos protege de modo que ninguém pode nos separar Dele; a exclusão gerada por estas igrejas possuem apenas o caráter do impacto psicológico que tal comunicado possa gerar no seu réu sentenciado.

Aos excluídos de todas as religiões digo: Jesus nunca os excluiu e nunca os excluirá, de modo que vocês são livres para expressarem o que são, tornando-se seres conscientemente libertos da ação maligna de toda pseudo igreja de Cristo.

Assim, somos livres para nos indignarmos frente a tanta gente hipócrita que cria um falso evangelho e o dissemina adoecendo milhões de vidas espalhadas pelo mundo. Somos livres do medo da “exclusão” ou da “excomunhão” que estas igrejas religiosas possam proclamar a nós.

Assim, sou de Cristo e sei que, mesmo sendo eu uma criatura tão cheia de defeitos, Ele não permite que alguém venha a me arrebatar e não me condena a viver no isolamento por qualquer atitude que eu venha a realizar.

Por fim, faço minhas as palavras de Lutero: "Eu não me submeto a leis ao interpretar a palavra de Deus".


Riva Moutinho
um excluído da igreja dos homens,
porém, incluído por Deus para ser Igreja de Cristo.

Polícia Federal desmantela esquema de adulteração do leite

FONTE: Estado de Minas

A Polícia Federal (PF) realiza nesta segunda-feira, em Uberaba, no Triângulo Mineiro, e em Passos, no Sul de Minas, a operação “Ouro Branco”, para efetuar 25 mandados de prisão e 22 de busca e apreensão, por crimes contra a saúde pública. As empresas Coopervale (Cooperativa dos Produtores de Leite do Vale do Rio Grande) e Casmil (Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro) são acusadas de adicionar substâncias proibidas ou em dosagem superior do que é permitido pela lei ao leite longa vida, tornando-o impróprio para o consumo.

A operação, que é realizada em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público Estadual (MPE) e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), conta com a participação de 200 policiais federais e fiscais da agricultura. Serão presos dirigentes e empregados das cooperativas, além de um servidor do Serviço de Inspeção Federal (SIF) do Mapa, responsável pela fiscalização nas empresas. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal em Passos e Uberaba.

A Coopervale e Casmil, que fornecem leite para marcas como “Parmalat” e “Calu”, adicionavam substâncias para aumentar o período de manutenção e acondicionamento do produto, sem que ele se deteriorasse. A fraude foi descoberta em análise do Ministério da Agricultura. A Polícia Federal também está recolhendo amostras de leite longa vida em todo país. Segundo apurações dos agentes, a fraude atinge empresas de vários estados.

21 outubro 2007

Tesouros em Vasos de Barros

Por Caio Fábio


Deus decidiu guardar Seus tesouros em recipientes muito fracos. Por isso, temos nosso tesouro em vasos de barro—que somos nós mesmos—, para que a excelência do poder seja de Deus, e nunca nosso.

O poder de Deus sempre se aperfeiçoa na nossa fraqueza, pois, do contrário, certamente ficaríamos arrogantes.

Por essa razão é que em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desesperados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos.

Assim caminhamos, sempre trazendo no nosso corpo o morrer, para que também a vida de Jesus se manifeste em nós.

Isto porque, nós, que vivemos pela fé em Cristo, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus e para crescermos em Sua Graça.

Ora, isto também acontece a fim de que a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal, que só pode experimentar vida tão mais excelente, se nossa animalidade mais básica for sempre relativizada.

E se desejamos muito ser instrumentos de Deus—também pura obra da Graça—, ainda mais teremos que conhecer o caminho da fraqueza, a fim de que discirnamos nossos próprios corações.

Por essa razão é que aquele que é visto como alguém que edifica a outros, mais profundamente conhecerá a operação da morte, para que outros possam experimentar a vida.

As dores de uns são as sabedorias de Graça que trarão vida a outros.

Ora, o espírito de nossa fé é simples, e manifesta-se conforme está escrito: Eu cri, por isso falei!

Também nós cremos, por isso também falamos!

Mas fazemos isto sabendo que Aquele que ressuscitou o Senhor Jesus, nos ressuscitará a com Ele—Sim, a todos nós!

Desse modo, sendo já herdeiros de todas as coisas, mesmo que existindo em fraqueza, devemos saber que todas as coisas existem por amor de nós.

Somente pessoas conscientes de sua própria fraqueza podem experimentar esse privilégio como gratidão, e nunca como arrogância. E tal consciência não se jacta como se isto fosse uma conquista individual e pessoal. Essa Graça está sobre muitos.

Isto para que a Graça, multiplicada por meio da vida e dons de muitos, faça abundar muita gratidão entre os homens para a Glória de Deus.

É por essa razão que não desfalecemos nunca. Mesmo quando vemos o nosso “homem exterior” se consumindo, pois sabemos que existe uma contra partida. Afinal, na mesma proporção, o nosso “homem interior” se renova de dia em dia.

Dito isto, quero apenas recordar que não somos filhos da animalidade. Temos um tesouro eterno habitando em nossa fraqueza.

Ora, tal consciência gera muita paz. Afinal, sabemos que a nossa tribulação na terra é leve e momentânea, mas produz para nós cada vez mais abundantemente um eterno peso de glória.

Dessa forma devemos andar pela fé. Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas sim nas que se não vêem.

As coisas que pertencem aos sentidos—as que se vêem—são temporais, enquanto as que se não vêem são eternas.

Quem tem essa consciência em fé, já não se queixa. Nem tampouco julga que o vaso seja importante. Afinal, o vaso é de barro, tirado do pó—e ao pó voltará! Mas o tesouro, esse sim, é eterno. E já nos habita como santa contradição da Graça, embora seus portadores sejam sempre expostas a fraqueza.

Essa é a fé que permite celebrar a Graça e a Vida com saúde. E nunca se gloriar do que possui, pois, de fato, não possui, mas apenas carrega!


******************************************

PROGRAMAÇÃO DA RÁDIO:
Mensagens todos os dias às 10h, 17h e 22h
Toda terça às 20h Conferência ao Vivo
Todo domingo às 19:45h, ao vivo, do Teatro la Salle em Brasília
Acesse através do link no canto superior direito desta página.


Caio Fábio coordena o Caminho da Graça em Brasília.
Há Estações do Caminho da Graça em BH, SP, Santos, Manaus, Campo Grande(MS), Sete Lagoas(MG), Uberlândia(MG), Niterói(RJ),
Londres(Inglaterra) entre outras cidades.

Conheça o site www.caiofabio.com

20 outubro 2007

Igreja Universal terá de pagar R$ 1 milhão por morte de menino

FONTE: Estadão

SALVADOR - O Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília, manteve a decisão da 2.ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça (TJ) da Bahia, de 14 de março, determinando que a Igreja Universal do Reino de Deus pague uma indenização de R$ 1 milhão, acrescida de juros e correção monetária, a título de danos morais, aos pais do adolescente Lucas Terra, assassinado aos 14 anos, em 21 de março de 2001, por um pastor da igreja, Sílvio Roberto Santos Galiza, em Salvador (BA). Condenado pelo crime há 11 meses, o pastor cumpre pena de 18 anos, na capital baiana.

link Pastor queima imagens sacras do século 17 no RS

Na decisão, publicada nesta sexta-feira, os ministros argumentam que o pastor Galiza era preposto da Igreja Universal. “O vínculo está caracterizado pela subordinação, poder diretivo escalonado, remuneração, atos constitutivos, entre outros”, diz a decisão.
A tese é inversa à defendida pela Universal no recurso ao STJ, na qual a instituição não teria responsabilidade sobre a morte de Lucas, porque o pastor não estaria em horário de trabalho na hora do crime. Ainda cabe recurso da Universal à decisão, no próprio STJ.

Os ministros da Terceira Turma, porém, reduziram o prazo da aplicação de juros e correção monetária à indenização. Na decisão do TJ-BA, o reajuste deveria ser aplicado retroativamente ao dia do crime. Para o STJ, a correção é válida a partir da data da condenação da Universal pelo TJ baiano.

O pai de Lucas, o comerciante José Carlos Terra, comemorou contidamente a decisão do STJ e repetiu o que havia dito quando a Universal foi condenada pelo TJ. “O dinheiro não traz meu filho de volta, mas é uma forma de punir uma instituição que está protegendo criminosos.”

Tanto a assessoria da Universal quanto o setor jurídico da igreja em Salvador foram procurados, mas não foram encontrados para comentar a decisão.

O crime

Freqüentador da Igreja Universal do bairro de Santa Cruz, em Salvador (BA), Lucas Terra foi queimado vivo em 21 de março de 2001, quando tinha 14 anos. O assassinato, de repercussão internacional, ainda não teve seu motivo esclarecido.

Em outubro daquele ano, o pastor Sílvio Galiza foi apontado pelas investigações como autor do crime. Julgado em junho de 2004, Galiza foi condenado a 23 anos e cinco meses de prisão, mas como a condenação foi de mais de 18 anos, um segundo júri foi marcado. No segundo julgamento, em novembro de 2005, o pastor foi novamente condenado, desta vez a 18 anos de reclusão.

Defendendo sua inocência no crime, Galiza passou, então, a acusar dois outros colegas de Universal pelo assassinato, o ex-pastor Joel Miranda e um ex-bispo da igreja, Fernando Aparecido. Segundo Galiza, ele não havia apontado os religiosos antes por ter recebido ameaças de morte durante o processo.

O pedido de prisão temporária dos dois suspeitos foi acatado pela Justiça em fevereiro do ano passado. Miranda chegou a ser detido, no Pará, mas deixou a prisão por força de habeas-corpus. Os dois são considerados foragidos.

19 outubro 2007

PF prende quadrilha por tentar golpe de R$ 1 bi contra BB

FONTE: Folha online

A Polícia Federal desencadeou nesta sexta-feira, em quatro Estados, a Operação Alquimista, com o objetivo de desarticular uma quadrilha que tentava realizar golpes milionários contra o Banco do Brasil, com a participação de funcionários da instituição. Eles foram presos ao tentar sacar R$ 1 bi.

Foram expedidos 24 mandados de prisões temporárias e 26 ordens de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia e Distrito Federal e mobilização de mais de 150 policiais federais. Até o momento, 22 pessoas foram presas.

Segundo a PF, o grupo ainda contava com o apoio de auditores da Receita Federal, consultores financeiros, um delegado da Polícia Federal aposentado, um oficial da reserva do Corpo de Bombeiros do Rio, um ex-deputado estadual do Rio e um ex-investigado na CPI dos Combustíveis da Assembléia Legislativa de São Paulo. Os nomes não foram revelados.

De acordo com as investigações, a organização, que agia há pelo menos dois anos, tentou efetuar o saque de aproximadamente R$ 1 bilhão junto ao Banco do Brasil, em valores que estariam depositados na conta de um laranja residente no interior de São Paulo.

Os envolvidos responderão por crimes de corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, tentativa de estelionato, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, cujas penas variam de cinco a dez anos anos de reclusão.

BB

O Banco do Brasil informou que não teve qualquer prejuízo e a tentativa de golpe foi identificada pelo próprio banco e notificada à Policia Federal.

18 outubro 2007

Senado aprova projeto que permite licença-maternidade de 6 meses

FONTE: Globo.com

A Comissão de Direitos Humanos do Senado aprovou nesta quinta-feira (18) projeto que dá incentivos fiscais para empresas que prorrogarem a licença-maternidade dos atuais quatro para seis meses.

Leia também:

Entenda mais sobre a ampliação da licença-maternidade

A proposta foi aprovada por unanimidade na comissão. Como não precisa ser aprovada pelo plenário por ter caráter terminativo, a proposta segue para a Câmara dos Deputados. Se aprovada, vai à sanção presidencial.

De acordo com o projeto de lei do Senado (PLS) 281/2005 - clique aqui para ver a íntegra do projeto -, de autoria da senadora Patrícia Saboya (PDT-CE), o benefício não é automático. A empresa precisa aderir voluntariamente ao Programa Empresa Cidadã. Com isso, terá direito a deduzir no cálculo do Imposto de Renda o valor integral da remuneração que a mãe recebia nos 60 dias de prorrogação da licença.

Na justificação do projeto, a senadora informou que as projeções indicam que a renúncia fiscal decorrente da ampliação corresponde a cerca de R$ 500 milhões, referente à dedução. "Constata-se, pois, que, em vista dos imensos ganhos sociais da iniciativa, a relação custo-benefício da proposta é claramente positiva", afirmou.

“Esse projeto não representa nenhum gasto, mas um investimento nas crianças, no futuro do país. Nós precisamos garantir que a criança tenha desenvolvimento físico e intelectual total”, afirmou a senadora Patrícia Saboya após a aprovação da proposta.

17 outubro 2007

Metade... Osvaldo Montenegro



metade...

Decisão do TSE dificulta votação de CPMF no Senado

FONTE: Estadão

BRASÍLIA - A decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de que senadores, governadores, prefeitos e o vice e o presidente da República estão sujeitos à perda do mandato por infidelidade partidária caso troquem de legenda depois de eleitos coloca uma trava no processo de cooptação de parlamentares pelo governo para garantir a votação da proposta de prorrogação da CPMF, no Senado.

Nesta quarta-feira, 17, ao meio-dia, o presidente do DEM, Rodrigo Maia (RJ), dará entrevista coletiva para informar como o partido irá proceder em relação aos senadores que trocaram o Democratas por partidos da base governista, no Senado. Pelo menos três senadores foram reforçar os votos do governo para aprovação da CPMF: Romeu Tuma (SP), Cesar Borges (BA) e Edson Lobão (MA).

Ainda que o processo de recuperação dos postos seja lento, o governo não poderá mais estimular a troca partidária. A estratégia do Planalto considerava a possibilidade de atrair para a base governista cinco parlamentares do DEM. O partido, numa ofensiva dos últimos dias, impediu que os senadores Demostenes Torres (GO) e Adelmir Santana (DF) aderissem ao governo. Aos dois foi garantida a possibilidade de disputarem a reeleição, ao Senado, nas eleições de 2010.

O foco da briga travada pelo DEM para impedir o troca-troca no Senado foi o de não fragilizar a posição do partido de rejeitar a prorrogação da CPMF. No caso da Câmara, embora a decisão de perda do mandato também seja importante para todos os partidos, ela não afetou a tramitação da CPMF. Na Câmara, o troca-troca teve a característica de formar candidaturas às prefeituras, no próximo ano. Muitos deputados vão se lançar candidaturas às eleições municipais.

Paralisia

O presidente em exercício do Senado, Tião Viana (PT-AC), afirmou na manhã desta quarta-feira, 17, que logo o Senado votará proposta de emenda à Constituição normatizando a fidelidade partidária. Disse que essa é a resposta do Legislativo à decisão tomada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de exigir a fidelidade partidária dos ocupantes de cargos majoritários.

Ele voltou a lamentar que a Justiça Eleitoral esteja disciplinando a matéria em razão da "paralisia" do Legislativo. "Nós temos o dever de rever esses procedimentos, de atualizar a legislação no que diz respeito à reforma política. E eu entendo que essa preocupação felizmente faz parte agora da agenda dos líderes no Senado."

Tião Viana se reúne nesta terça-feira com os presidentes de comissões e líderes do governo e oposição no Senado e com o presidente da República em exercício, José Alencar, para discutir o procedimento para a votação da proposta de emenda à Constituição que prorroga até 2011 a cobrança da CPMF.

16 outubro 2007

Índios... Renato Russo





entenda...

Empresas triplicam remessa de lucros no governo Lula

FONTE: Folha online

A remessa de lucros e dividendos para as matrizes das multinacionais nos quatro primeiros anos do governo Lula foi o triplo da registrada entre 1999 e 2002, no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, informam nesta terça-feira Ney Hayashi da Cruz e Fernando Nakagawa, em reportagem da Folha.

Segundo a reportagem, entre 2003 e 2006, no primeiro mandato de Lula, a cada US$ 10 que entraram no Brasil, outros US$ 6 foram enviados ao exterior como ganho às sedes. Nos quatro últimos anos da gestão FHC foram remetidos US$ 2 para cada US$ 10 que entraram no país. No primeiro mandato de FHC -- entre 1995 e 1998-- foram remetidos US$ 2,5.

O ingresso de investimentos estrangeiros entre 2003 e 2006 somou US$ 62,1 bilhões, enquanto as remessas foram de US$ 37,8 bilhões, conforme os números do BC, informa a Folha.

O BC revisou em setembro das projeções para as contas externas para este ano e as previsões para 2008. A previsão de remessa de lucros e dividendos deste ano foi ampliada de US$ 15,7 bilhões para US$ 16,5 bilhões. Para o ano que vem, o BC aposta em saídas de US$ 16,8 bilhões.

Em relação ao saldo das receitas e despesas com viagens internacionais, a expectativa é que o saldo fique negativo neste ano em US$ 2,8 bilhões, contra US$ 1,8 bilhão esperado anteriormente. Para o ano que vem, é de US$ 2,5 bilhões.

Os investimentos estrangeiros diretos irão chegar a US$ 32 bilhões em 2007 --contra US$ 25 bilhões esperados anteriormente-- e US$ 28 bilhões no ano que vem.

O BC revisou também a projeção para o saldo de transações correntes --foi reduzido de US$ 10,7 bilhões para US$ 7,8 bilhões. A previsão para o saldo da balança comercial foi mantido em US$ 40 bilhões, mas as projeções de exportações e importações foram elevadas para, respectivamente, US$ 155 bilhões e US$ 115 bilhões --contra US$ 152 bilhões e US$ 112 bilhões respectivamente na projeção anterior.

Para o ano que vem, a expectativa de saldo na conta corrente é de US$ 3,2 bilhões, co saldo comercial de US$ 34 bilhões (exportações de US$ 167 bilhões e importações de US$ 133 bilhões) e déficit na conta de serviços e rendas de US$ 35,3 bilhões.

15 outubro 2007

Serra, Alckmin e Aécio lideram corrida presidencial, diz Sensus

FONTE: Estadão

BRASÍLIA - Os tucanos José Serra, Geraldo Alckmin e Aécio Neves têm empate técnico nas intenções de votos nas eleições presidenciais de 2010. É o que aponta a pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta segunda-feira, 15, que entrevistou 2 mil pessoas, em 136 municípios, e tem margem de erro de três pontos porcentuais para cima ou para baixo.

A pesquisa mostrou que em uma lista com 21 nomes de possíveis candidatos as eleições presidenciais de 2010, o governador de São Paulo, José Serra, lidera com 12,8% das intenções de votos. Em segundo lugar, aparece o ex-governador Geraldo Alckmin, com 11,6%. O governador de Minas, Aécio Neves, apareceu em terceiro lugar, com 9,8% das intenções.

O deputado federal Ciro Gomes (PSB) surge na quarta posição, com 9,4%, sendo o integrante da base governista mais bem colocado no levantamento. A ex-senadora Heloísa Helena (PSOL) ficou em quinto lugar, com 6,1%, seguida do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, com 4,7%, e da ministra do Turismo e ex-prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), que teve 2,2% das intenções.

Entre 1% e 2% de intenções de votos nessa simulação, ficaram em ordem decrescente o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), com 2%; o ministro da Justiça, Tarso Genro, com 1,6%; o governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), com 1,5%; o senador Cristovam Buarque (PDT), com 1,4%, e o governador da Bahia, Jacques Wagner (PT), com 1%.

A pesquisa também fez duas simulações em listas mais restritas. Em uma aparecem Ciro Gomes, Aécio Neves, e a ministra da Casa Civil, Dilma Roussef. Nessa simulação, Ciro lidera com 28,3% das intenções, seguido por Aécio, que ficou com 20,5% e Dilma com 5,4%. Votos brancos e nulos somaram 30,5%.

Na outra simulação, a pesquisa CNT/Sensus colocou José Serra, Ciro Gomes e Dilma. Neste caso, o tucano liderou com 30%, Ciro ficou em segundo, com 22,8%, e Dilma, com 5,7%. O diretor da pesquisa CNT/Sensus, Ricardo Guedes, explicou que a inclusão de Dilma nessas simulações se deve ao seu nome ter sido comentado no noticiário como possível candidata a presidência em 2010. Na lista com 21 nomes, a ministra teve 0,7% das intenções.

Candidato de Lula

O presidente Confederação Nacional do Transporte (CNT), Clésio Andrade, afirmou que essas simulações mostram que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não tem um candidato forte. "O mais competitivo é o deputado (Ciro Gomes)", disse.

Segundo Andrade, a pesquisa mostra que o presidente Lula é um "bom cabo eleitoral". O levantamento revelou que 10,8% dos entrevistados dizem que só votariam em um candidato apoiado pelo presidente Lula. Outros 25,4% disseram que poderiam votar em um candidato apoiado por Lula. Disseram que não votariam de jeito nenhum em um candidato apoiado pelo atual presidente, 27,3% dos entrevistados. Outros 32,4% disseram que somente conhecendo o candidato poderiam decidir o voto.

Interrompendo uma seqüência de oito elevações consecutivas, a aprovação ao desempenho do presidente Lula caiu de 64%, em junho, para 61,2%, em outubro. De acordo com a pesquisa, a avaliação positiva do governo Lula oscilou de 47,5% para 46,5% no período de comparação e também ficou dentro da margem de erro.

A porcentagem de eleitores favoráveis à reeleição presidencial caiu de 65,4% para 57,4%, entre abril e outubro.

Além da sondagem eleitoral, o instituto perguntou aos entrevistados se o mandato parlamentar deve pertencer ao político ou ao partido. 54,2% deles concordam com a fidelidade partidária. Além disso, 45,3% dos eleitores acham que a Câmara e o Senado deveriam ser unificados em apenas uma instituição.

11 outubro 2007

Após pressão de quase 5 meses, Renan se afasta da presidência

FONTE: Estadão

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou nesta quinta-feira, 11, o afastamento do cargo por 45 dias em pronunciamento na TV Senado. Diz que enfrentará os processos dos quais é acusado e volta a afirmar que está convicto de sua inocência. "Resistirei firme na minha defesa", disse. Durante a sua ausência, a presidência será exercida pelo senador Tião Viana (PT-AC), que ocupa o cargo de 1º vice-presidente da Mesa.

Renan fez um discurso breve, de pouco mais de dois minutos, e lembrou a sessão no plenário da última terça-feira, quando, pela primeira vez, senadores da base aliada - incluindo senadores petistas - fizeram coro com a oposição e pediram a sua saída da presidência.

"Com isso (o licenciamento) , contribuo definitivamente para evitar constrangimentos como as que aconteceram na sessão de 9 de outubro. Enfrentarei os processos como fiz até agora, não lancei mãos das prerrogativas do Senado, minha trincheira de luta, sempre fui convicto de que prevalecerá a verdade, como aconteceu na minha absolvição.Reafirmo que enfrentarei os processos como fiz até agora à luz do dia".

Renan é o segundo presidente da Casa a se licenciar do cargo por conta de denúncias por quebra de decoro parlamentar. O primeiro foi o ex-senador Jader Barbalho (PMDB-PA), em julho de 2001, sob a acusação de se beneficiar de desvios de recurso do Banpará. Dois meses depois, antes que fosse aberto processo no Conselho de Ética, Jader renunciou ao mandato.

Outros senadores que renunciaram foram José Roberto Arruda (DEM-DF), Joaquim Roriz (PMDB-DF) e Antônio Carlos Magalhães (DEM-PA), morto este ano.

No final do seu discurso, Renan disse que o "poder é transitório e a honra, permanente" e agradeceu sua família e colegas do Senado, que, segundo ele, sempre deram "forças".

"Confio no povo de Alagoas, colegas do senado e daqueles que mesmo sem me conhecer, me deram forças ate agora. A esses, certamente não decepcionarei. Aguardarei que a verdade e justiça prevaleçam.

Quebra de decoro

As acusações contra Renan resultaram em cinco representações no Senado. De uma delas, ele foi absolvido, a de que teve despesas pessoais pagas por um lobista. Apesar do Conselho de Ética ter votado parecer pela sua cassação, no dia 12 de setembro 45 senadores inocentaram o presidente da Casa. Votaram contra 35 e 6 se abstiveram.

A novela Renan Calheiros começou no dia 26 de maio, quando a revista Veja divulgou que ele teve despesas pessoais pagas pelo lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior. O dinheiro bancaria pensão e aluguel de Mônica Veloso, com quem o senador tem uma filha. No Congresso, Renan dizia que o lobista era seu amigo, mas negou que tinha recebido recursos.

Ainda restam três processos - que estão no Conselho de Ética - e a última, que ainda está sendo analisada pela Mesa Diretora do Senado.

Neste terceiro processo, a escolha do senador Jefferson Péres (PDT-AM), um dos maiores críticos de Renan, para relatar o caso do suposto uso de "laranjas" como donos de uma rádio em Alagoas mostrou que o presidente do Senado perdeu qualquer chance de ser inocentado nessa investigação.

Na segunda representação, Renan é acusado ainda de favorecer a Schincariol na Receita Federal e no INSS após a cervejaria comprar fábrica de bebidas da família Calheiros por preço acima do mercado. O terceiro acusa o senador de participar de esquema de propina envolvendo ministérios comandados pelo PMDB.

Por último, o DEM e o PSDB protocolaram no dia 9 de outubro a quinta representação contra Renan,que teria comandado um esquema de espionagem contra senadores da oposição, em Goiânia: Demóstenes Torres (DEM) e Marconi Perillo (PSDB).

Quem é Renan Calheiros

Como muitos políticos, Renan Calheiros iniciou sua carreira no movimento estudantil nos anos 70. Alagoano de Murici, foi eleito deputado estadual pelo MDB, em 1978, ainda durante a ditadura militar, quando era estudante de Direito.

Nas eleições seguintes, obteve uma vaga na Câmara dos Deputados, onde ficou por três mandatos. Não terminou o último porque, em 1992, foi indicado para assumir a vice-presidência de uma estatal, a Petrobras Química (Petroquisa).

Um dos aliados do ex-presidente Fernando Collor de Mello, na chamada República de Alagoas montada em Brasília, Renan se tornou líder do governo na Câmara dos Deputados, apoiando todas as decisões do governo, inclusive o confisco da poupança.

O rompimento com Collor veio em seguida, mas os dois parecem ter se reconciliado este ano com a eleição do ex-presidente - único no País a sofrer impeachment - a uma vaga no Senado.

De volta às urnas em 1994, Renan é eleito senador por Alagoas e, em 2002, se reelege. Três anos depois de conquistada a reeleição chega à presidência do Senado, cargo que ocupa até hoje depois de ser reeleito este ano em uma disputa praticamente sem adversários na Casa.

O senador também exerceu cargo no Executivo como ministro da Justiça no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. À época, a indicação de seu nome foi criticada por conta do apoio que deu ao confisco da poupança durante o governo Collor e também por não ter afinidade com o meio jurídico.

Recentemente, a figura de Renan ganhou destaque por conta do projeto sobre o desarmamento, de sua autoria. A proposta gerou o referendo das armas, mas foi rejeitada pelo eleitorado.

Renan consulta aliados sobre licença da presidência do Senado

FONTE: Estadão

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) consulta aliados nesta quinta-feira, 11, para discutir uma possível licença do cargo, enquanto responde a processos por falta de decoro parlamentar. Fontes que estiveram com o senador nesta quinta, disseram ao Estado que ele já teria uma carta pronta pedindo seu afastamento do cargo por 120 dias para tratar de interesses particulares.

Veja também:

linkCronologia do caso especial

linkEntenda os processos contra Renan especial

link'Fora, Renan! no Congresso prevê abaixo-assinado e protestos

O senador Edson Lobão(DEM-MA), que visitou Renan, disse que o encontrou "triste, abatido e tenso". Segundo Lobão, Renan não revelou se apresentará um eventual pedido de licença enquanto responde a processos por falta de decoro parlamentar, conforme comentários que voltaram a circular esta tarde no Senado.

A interlocutores com quem conversou por telefone, Renan contou que está sendo aconselhado por médicos a tirar uma licença de trinta dias para se recuperar da tensão acumulada em quase cinco meses em crise, desde que apareceram as denúncias de que um lobista da empreita Mendes Junior pagava despesas pessoais.

Na avaliação de Edson Lobão, a licença "melhora muito a posição de Renan".

A líder do PT, Ideli Salvatti (SC), também avalia que uma licença de Renan distensionará o ambiente político não só no que se refere ao desfecho do caso Renan como também permitirá a votação da CPMF. "A grande maioria do Senado, e não falo só da bancada do PT e dos aliados do governo, como também da oposição, todos querem que ele deixe a presidência mas, na verdade, o sentimento da maioria é no sentido de dar um jeito para que ele saia sem precisar cassá-lo", disse.

Renan está em sua residência e, pela manhã, recebeu os senadores José Sarney (AM), Wellington Salgado (MG) e o governador de Alagoas, Teotonio Vilela Filho (PSDB) isoladamente.

Entrave para CPMF

O entendimento do Senado é de que o governo não apoiará mais Renan, sobretudo pelo risco que ele passou a representar à aprovação da CPMF, segundo reportagem do Estado.

Segundo a senadora petista Ideli Salvatti (SC), tida como uma da últimas defensoras do senador no partido, a sessão da última terça-feira deixou um recado claro, que "só não entende quem não quer".

"A sessão foi um divisor de águas, emblemática. Com pequenas diferenças de tom, todos os senadores que se manifestaram, de praticamente todos os partidos, pediram a saída do senador Renan", afirmou Ideli.

O senador Demóstenes Torres confirmou o acordo da oposição para trancar a pauta se o caso Renan não se resolver até o início de novembro.

"O senador Renan tem de sair ou a partir do dia 2 de novembro a oposição se recusa a votar o que quer que seja sob a batuta do atual presidente do Congresso". frisou Demóstenes.

Novo relator

Na última quarta, o senador Jefferson Peres (PDT-AM) foi designado para relatar a terceira representação contra Renan e anunciou que planeja apresentar seu parecer até o dia 2 de novembro, "mesmo que seja dia de Finados", e prometeu isenção, mesmo com sua posição favorável à saída de Renan da presidência do Senado. Neste processo, Renan é acusado de ter utilizado "laranjas" para a compra de duas emissoras de rádio e uma de TV em Alagoas.

"Vai ser um parecer técnico, embora eu já tenha pedido politicamente o afastamento do senador Renan da presidência", afirmou Peres a jornalistas. "São coisas diferentes. A minha posição como senador é uma, e como relator é outra."

O senador pedetista não descarta a possibilidade de chamar para depor o usineiro João Lira, desafeto de Renan e responsável pela denúncia que levou à representação.

Embora comprometido a ter seu parecer pronto até 2 de novembro, prazo em que a oposição promete obstruir todas as votações no Senado caso Renan não se afaste da presidência, Peres ainda conversará com o corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP) para se inteirar das investigações já feitas. "Só posso começar nas oitivas quando receber todas as informações da corregedoria do Senado", disse Peres.

Processos

Ao todo, Renan foi alvo de quatro processos no Conselho de Ética e pode responder a quinta, caso a Mesa Diretora decida encaminhar a representação.

No dia 12 de setembro, o presidente do Senado foi absolvido da primeira denúncia contra ele, que o acusava de ter despesas pessoais pagas por um lobista ligado à construtora Mendes Júnior.

A segunda representação trata de suposto beneficiamento à cervejaria Schincariol, tem como relator o senador João Pedro (PT-AM).

Na última quarta, o senador Jéfferson Peres (PDT-AM) foi desigando para relatar o terceiro processo contra Renan, que o acusa de ter utilizado "laranjas" para comprar emissoras de rádio em Alagoas.

A quarta representação, sobre um esquema de arrecadação de dinheiro em ministérios comandados pelo PMDB, será relatada pelo senador Almeida Lima (PMDB-SE), fiel aliado de Renan.

O presidente do Congresso ainda pode responder a um quinto processo, que já está na Mesa do Senado, mas ainda não foi encaminhado para o Conselho de Ética.

Ele trata da denúncia de que Renan estaria por trás de um esquema de espionagem dos senadores Demóstenes Torres (DEM-GO) e Marconi Perillo (PSDB-GO).

09 outubro 2007

CANÇÃO DO EXILADO e EXILADO

Por Riva Moutinho

CANÇÃO DO EXILADO

(uma reescrita do poema Canção do Exílio de Gonçalves Dias)

Minha não-terra tem Justiça

Com sabor da imparcialidade justa.

Os bandidos absolvidos aqui

Não seriam absolvidos por lá.


Nossas prisões são mais vulneráveis

Nossos Sistemas mais corruptos

Nossas impunidades impecáveis

Muito dos nossos ladrões engravatados


Em pensar, sozinho, por aí

Percebo a Justiça que faz falta por aqui

Minha não-terra tem Justiça

Que me faz chorar por esta daqui.


Na minha não-terra se cumpre as leis

Que apesar de existirem na minha terra, são manipuladas.

Em pensar, sozinho, por aí

Vejo a Justiça que faz falta por aqui.

Minha não-terra tem Justiça

Que puniria as impunidades daqui.


Permita Deus que eu morra

Com a consciência livre desta masmorra.

Mesmo que eu não veja esta Justiça

Que não encontro por aqui.

Mesmo que as palavras que expresso

Não sejam ouvidas por cá.





EXILADO

Não que os Estados Unidos sejam o The Best of World, mas para quem já tem olhos e ouvidos calejados de tanto assistir e ouvir as impunidades que nossa Justiça produz por cá; assistir e ver a Justiça fazendo justiça faz surgir uma pontinha de alegria.


Por lá e por outros lugares cantor/a, ator ou atriz, personalidades com algum tipo de poder freqüentemente tomam conta dos jornais, com o resultado de sentenças mediante a delitos ou infrações cometidas.


Mel Gibson, Mike Tyson, Naomi Campbell, Paris Hilton… estes e mais alguns já pagaram por algum tipo de crime. Por aqui, as investigações das polícias, do Ministério Público e até do Congresso Nacional, pouco ou nada valem. Se mesmo tendo provas a Justiça não se mostra justa; se o caso é uma mentira perante a lei, piorou. A Justiça no Brasil aprendeu a escolher culpados dentre os culpados apresentando apenas os bodes expiatórios, ou aprendeu a ensurdecer e, principalmente, a emudecer diante de fatos-crimes revelados.


Por lá, o casal da Igreja Renascer verá o sol nascer quadrado além de ter, depois, uma liberdade vigiada, apenas porque mentiram para os representantes do país num aeroporto.


Por aqui, Edir Macedo saiu ileso há anos atrás e até hoje permanece intocável possuindo até partido político. Por aqui um pastor-deputado planejou matar outro pastor-deputado e mesmo tendo provas – como a polícia disse – o mesmo continua legislando e caminhando livremente pelas ruas do Brasil.


Por aqui os impérios religiosos não são investigados por crimes contra o povo e com isto seus líderes acumulam fortunas e prosperam vitaliciamente.


Por aqui o Ministério Público denunciou o Esquema do Mensalão com 40 personalidades de peso da sociedade e o Superior Tribunal de Justiça aceitou as denúncias, mas vimos um escândalo, no mínimo imoral, acontecer entre os ministros do Supremo. Muitos dos denunciados neste Esquema se elegeram a cargos públicos. Adivinha de quem é a culpa por isto?


Por aqui o mesmo casal Hernandez preso por lá, teve sua organização religiosa considerada pelo Ministério Público como organização criminosa.


Por aqui, o apresentador Gugu Liberato depois de forjar uma entrevista com líderes de uma organização criminosa com atores e ameaçar pessoas, foi absolvido porque o crime prescreveu.


É assim... por aqui a Justiça se arrasta na aplicação da lei, e assim, a impunidade alimenta novos crimes e novas idéias para que novas modalidades sejam criadas.

Definitivamente, a minha não-terra tem Justiça com sabor de imparcialidade justa.


BH

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More