Featured Video

Visão Mundial

Somos uma organização não governamental cristã, brasileira, de desenvolvimento, promoção de justiça e assistência, que, combatendo as causas da pobreza, trabalha com crianças, famílias e comunidades.

Wikileaks

Somos uma organização sem fins lucrativos dedicada a trazer informações importantes para o público.

Greenpeace

Somos uma organização global e independente que atua para defender o ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem atitudes e comportamentos.

Associação de Assistência à Criança Deficiente

Somos uma entidade privada, sem fins lucrativos, que trabalha há 60 anos pelo bem-estar de pessoas com deficiência física.

Médicos Sem Fronteiras

Médicos Sem Fronteiras é uma organização médico-humanitária internacional, independente e comprometida em levar ajuda às pessoas que mais precisam.

30 junho 2007

Projeto de Roriz deu lucro de R$ 23 milhões a aliado

FONTE: Estado de Minas

O senador Joaquim Roriz (PMDB-DF) patrocinou, quando era governador do Distrito Federal, uma operação imobiliária que rendeu a um aliado dele R$ 23 milhões de lucro. O aliado é Wigberto Tartuce, empresário, ex-deputado e ex-secretário do próprio Roriz.

Durante a administração de Roriz, Tartuce comprou por R$ 13,7 milhões, de quatro fundos de pensão ligados a órgãos públicos do governo distrital, um terreno de 80 mil metros quadrados. Apenas um ano depois, ele o revendeu por R$ 37 milhões à Aldebaran Investimentos Imobiliários S.A., ligada a uma grande incorporadora de Brasília.

A operação deu a Tartuce um lucro de 170,8%, e a participação do governo Roriz foi decisiva: em janeiro de 2006, quando o terreno já à venda, ainda pertencia aos fundos de pensão, o ex-governador, hoje sob investigação na corregedoria do Senado, mandou um projeto de lei à Câmara Distrital mudando a destinação de todas as áreas vizinhas à propriedade de Tartuce. O projeto, aprovado em um mês, permitiu que os terrenos tivessem “uso comercial, com preferência para empresas de transporte”.

O estranho é que o lote 6/1, pertencente aos quatro fundos de pensão, ficou de fora do alcance da mudança feita pelo projeto encaminhado por Roriz. No mercado imobiliário, segundo especialistas, o efeito da medida foi mantê-lo desvalorizado. Dois meses depois, em abril de 2006, a empresa Alphaville, de Tartuce, arrematou a área em uma licitação - pagou apenas R$ 1,5 milhão de entrada e o restante, dividido em 48 prestações. Só pagou 11 delas. As restantes foram assumidas pelo comprador

O que fez a área pular de preço foi, em dezembro de 2006, um projeto de lei assinado pela vice de Roriz, Maria de Lourdes Abadia. Pelo projeto complementar de Abadia, o lote, já nas mãos de Tartuce, ganhou o destino comercial dos demais. Os deputados distritais Paulo Tadeu e Chico Vigilante, do PT, dizem que os dois projetos foram aprovados com o empenho do atual suplente de Roriz, Gim Argello (DEM-DF), que comandava a tropa de choque do ex-governador na Câmara local.

O empresário Nenê Constantino, dono da Gol e amigo de Roriz, aparece formalmente no negócio como um dos avalistas de uma nota promissória de R$ 10 milhões, entregue a Tartuce pela Aldebaran como parte do pagamento. Constantino também é um importante investidor de empreendimentos do grupo Antares, que controla a Aldebaran. Mas, segundo o advogado do grupo, Marcelo Bessa, Constantino não tem nenhuma participação no empreendimento ou no lote comprado de Tartuce e nega qualquer irregularidade.

Roriz informou por sua assessoria que não patrocinou nenhum ato beneficiando Tartuce ou Constantino. Segundo ele, o projeto que muda a destinação do lote foi da inteira responsabilidade de Abadia.

Abadia não foi localizada, mas um ex-assessor de seu governo explicou que nos seis meses em que ela ocupou o cargo, Roriz teria continuado dando as cartas. Tartuce disse que está há cerca de um ano sem falar com o senador, com o qual teria brigado. “Fiz um negócio legal e o lucro não foi tão extraordinário, pois eu tive de bancar os custos com a mudança de destinação do terreno. Vocês estão na pista errada”, disse.

29 junho 2007

Mário de Oliveira diz que é "a vítima"

FONTE: Jornal O Tempo

Deputado federal do PSC alega que acusação do seu colega parlamentar Carlos Willian é uma armação contra ele

HÉDIO FERREIRA JÚNIOR

BRASÍLIA - Acusado de contratar um pistoleiro de aluguel para matar o colega de Câmara e ex-aliado, Carlos Willian (PTCMG), o pastor e presidente nacional da Igreja do Evangelho Quadrangular, deputado Mário de Oliveira (PSC-MG), deverá construir sua defesa no Conselho de Ética - onde está sendo processado por quebra de decoro - em cima da afirmação de que é vítima de uma armação. O parlamentar, porém, não deu detalhes do motivo que o leva a crer estarem "armando" contra ele.

Oliveira, que tem passado os últimos dias, de acordo com seus assessores, em freqüentes reuniões, diz que a acusação partindo de seu ex-parceiro de igreja não passa de uma farsa e de um "mal entendido". A partir da próxima semana, ele começará a responder pelo processo e cassação de mandato apresentada conselho pelo Partido Trabalhista Cristão (PTC). Mais de 24 horas depois de remetido à Mesa Diretora da Câmara, o presidente Arlindo Chinaglia (PT-SP) enviou de volta, na noite de ontem, ao Conselho de Ética a autorização do requerimento apresentado pelo PTC, que pede a abertura de um inquérito contra Oliveira.

Com isso, o pastor ganhou mais um tempo para decidir se encara o inquérito que pede a cassação de seu mandato ou renuncia ao cargo para não colocar em risco seus direitos políticos. O presidente do Conselho de Ética, Ricardo Izar (PTB-SP), que está fora de Brasília, prometeu assinar ainda hoje o termo de instauração do processo para que comece a vigorar nesta sexta. Assim que instaurar o inquérito, Izar notifica Oliveira.

A partir dessa data, passa a contar o prazo de cinco sessões ordinárias (em plenário) para que o acusado possa se defender. A relatora do caso, Solange Amaral (DEM-RJ), ouvirá o acusado e o acusador, além das testemunhas de acusação e defesa indicadas pelas duas partes.

Poeira mais baixa
Mário de Oliveira passou o dia de ontem em São Paulo. Willian esteve em Belo Horizonte, trabalhando em seu escritório regional. Anteontem ele esteve reunido com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Ellen Gracie, que determinou a abertura de um processo também na Corte Suprema. O relator do caso, ministro Sepúlveda Pertence, encaminhou os autos que incriminam o presidente da Quadrangular à Procuradoria Geral da República.

Apesar de ter escapado da morte em três situações, segundo investigações da Polícia Civil de São Paulo, Willian têm evitado repetir em entrevistas as acusações de assassinato contra o desafeto. Diz apenas que está "perplexo" e "triste". Questionado sobre o que sente pelo ex-colega de igreja, Carlos Willian garante: "Estou orando muito para Deus não colocar ódio no meu coração. Não posso nem devo fazer justiça com as próprias mãos e não quero cultivar raiva por ninguém. Deus me livrou três vezes desse assassinato e não acho que me livrou para eu sair perseguindo as pessoas. Minha missão deve ser outra."

Histórico
Essa não é a primeira vez que o deputado mineiro é acusado de agressão. O corregedor geral da Câmara, Inocêncio Oliveira (PTB-PE), que coordenará os trabalhos de investigação no caso, lembrou que eles não trocaram socos por pouco, quando, em fevereiro deste ano, os dois não concordaram sobre uma pauta e entraram em choque.




Igreja espera 5.000 fiéis em BH


DENISE MOTTA

Cerca de 5.000 fiéis da Igreja do Evangelho Quadrangular, presidida pelo deputado federal Mário de Oliveira (PSC-MG), são esperados em um evento especial amanhã, na capital mineira. Os evangélicos participam de uma assembléia e há uma grande expectativa de que o deputado se pronuncie sobre a suspeita de ter contratado um pistoleiro conhecido como "Alemão" para matar seu colega Carlos Willian (PTC-MG), pagando R$ 150 mil. De acordo com a apuração da reportagem de O TEMPO, uma assembléia geral da igreja já estava marcada há mais de um mês e a expectativa é de que Oliveira, uma das estrelas do evento, comente sobre o caso.

O encontro acontecerá numa filial da entidade no bairro Santa Efigênia, na avenida do Contorno com avenida dos Andradas. Conforme disse um dos integrantes da Quadrangular, a assembléia foi divulgada para todas as outras sedes da Quadrangular em Belo Horizonte e até pessoas do interior do Estado devem participar. "A expectativa é de que ele (Mário de Oliveira) fale sobre isso. Ele tem que dar uma explicação", afirmou um evangélico que preferiu o anonimato.

Templos
A Igreja Quadrangular se multiplicou na capital mineira a partir do final da década de 1980 e hoje existem pelo menos 12 grandes templos nos mais variados bairros da capital. Oliveira, que preside nacionalmente a entidade, normalmente ficava na filial localizada no bairro Carlos Prates, segundo apurou a reportagem. Enquanto Oliveira responde pela igreja nacionalmente, o irmão dele, deputado estadual Antônio Genaro de Oliveira (PSC), é responsável pela organização da igreja em todo o Estado.

Eventos com a participação de um grande número de pessoas é uma especialidade da Igreja Quadrangular. Também neste final de semana, acontece um encontro de jovens da região Oeste da capital. O "Sermão da Montanha", por exemplo, é organizado por Oliveira.




Deputados estão entre os mais ricos


Ainda é mistério o motivo que teria levado o deputado federal Mário de Oliveira (PSC) a atentar contra a vida do colega Carlos Willian, também deputado federal pelo PTC. Falou- se em uma dívida de R$ 800 mil que Willian teria com Oliveira, mas nada foi confirmado. Uma coisa é indiscutível. Os dois estão no topo da lista dos deputados mineiros eleitos que são milionários. Enquanto Mário de Oliveira declarou perante a justiça eleitoral R$ 2,35 milhões, Carlos Willian admitiu ter em caixa a fortuna de R$ 1,85 milhão.

Mas os estão longe de alcançar deputados federais mineiros declaradamente milionários como o ex-capitão da PM, Edmar Moreira (DEM), e o empresário da construção civil, Ciro Pedrosa (PV), por exemplo. Respectivamente, eles têm R$ 9,5 milhões e R$ 9,87 milhões. Mário de Oliveira, à época da eleição no ano passado, declarou que tinha o segundo grau incompleto. Entre os candidatos, apenas ele e João Magalhães admitiram a falta de escolaridade. Apesar disso, Oliveira é conhecido por sua vaidade.

Ele faz questão de circular com carros importados a cada evento público que vai, como o "Sermão da Montanha", que chegou a reunir cerca de 130 mil evangélicos na praça do Papa. Já Carlos Willian é formado em direito e, inclusive, chegou a advogar por cerca de 20 anos para a Igreja Quadrangular, entidade presidida por Oliveira.

Outros milionários
Entre os mineiros mais ricos na Câmara Federal estão lideranças políticas que já estão na vida pública há um bom tempo. Entre exemplos figuram Lael Varella (DEM), com R$ 5,75 milhões; Olavo Bilac Pinto Neto (PR), com R$ 5,1 milhões; Jaime Martins (PR), com R$ 2,69 milhões; Antônio Andrade (PMDB), com R$ 2,2 milhões; Mauro Lopes (PMDB), com R$ 2,1 milhões; Carlos Melles (DEM), com R$ 2,1 milhões; Luiz Fernando Faria (PP), com R$ 1,74 milhão; o presidente do PMDB mineiro, Fernando Diniz (PMDB), com R$ 1,5 milhão; o ex-ministro da Saúde Saraiva Felipe (PMDB), com R$ 1,5 milhão. (DM).

28 junho 2007

Heloísa Helena diz que só enriquece na política quem é ladrão

FONTE: Portal UAI

O PSOL reuniu hoje cerca de 50 manifestantes em frente ao Congresso Nacional no lançamento da campanha "Fora Renan". Em um ato a favor da ética na política, o partido cobrou o afastamento do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado, além de punições para o senador Joaquim Roriz (PMDB-DF).

A presidente do PSOL, Heloísa Helena (AL), cobrou investigações severas sobre Roriz e Renan. "Só enriquece na política quem é ladrão. Quem enriquece, tem que apresentar à opinião pública todas as justificativas. Porque justificativas matemáticas e racionais não há, por isso precisam definitivamente serem punidos". O presidente do Senado é acusado de usar recursos da empreiteira Mendes Júnior para pagar pensão à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha. Para justificar que tinha recursos suficientes para não recorrer à construtora, alegou que teve lucros com a venda de gado em Alagoas.

Roriz, por outro lado, é acusado de negociar R$ 2,2 milhões com o ex-presidente do BRB (Banco de Brasília) Tarcísio Franklin de Moura. O senador nega as acusações ao argumentar que pediu dinheiro emprestado para a compra de um bezerro.

Como os dois senadores alegaram movimentações com bois para justificar as supostas irregularidades, a manifestação do PSOL teve como símbolo um boi bumbá dourado com a marca "RR" - numa alusão a Renan e Roriz.

Os manifestantes entoaram uma versão da canção "boi da cara preta" durante o ato político. "Boi, boi, boi, boi da cara preta, pega os senadores que encheram a maleta". Também carregaram faixas com os dizeres: "De escândalo em escândalo, a vaca vai para o brejo".

O deputado Fernando Gabeira (PV-RJ), que também participou da manifestação, disse que Renan deve se afastar da presidência do Senado para que as investigações possam ocorrer sem interferências políticas. "Eu acho que o Renan está morto politicamente e aconselho a ele o que o livro tibetano dos mortos aconselha: ir embora. Porque quando os mortos se agarram muito, não podem buscar a reencarnação. Mas para que o morto vá embora é preciso que a sociedade brasileira se mova". O PSOL deu início à coleta de assinaturas para um abaixo assinado pela renúncia de Renan. O partido vai colher as assinaturas até o início de agosto para, então, encaminhar o documento ao Congresso Nacional. Além de pedir o afastamento do presidente do Senado, o abaixo assinado defende punições mais severas para atos de corrupção política.

27 junho 2007

O LEÃO, A PASTORA E O GUARDA-ROUPA
Comentado por Pr. Caio Fábio

Amado Riva: Graça e Paz!

Li a matéria e até a já citei no dia de hoje aqui no site.

Tenho apenas algumas observações a fazer sobre o que essa moçada chama de espiritualidade.

Vi o vídeo e outros do gênero, inclusive o outro que se diz ser o originador do show de Anápolis: uma espécie de plágio de transe.

Assim, pergunto:

  1. Você pode imaginar Jesus dizendo — “Naquele Dia vesti minha túnica sem costura, pus as sandálias que o centurião romano me deu, tomei de uma pequena vara que me foi doada pela Siro-Fenícia, olhei meu rosto contra o reflexo do Poço de Siloé, e disse: ‘Você é o Filho de Deus! ’”? Ou pode você ver qualquer pessoa séria do Evangelho, ou nas narrativas bíblias, sentirem as coisas assim? Ou o que diria Pedro à cantora? Sim! Ele que disse que o que deve ornar as mulheres é um coração manso e moderado? Mas para essa moçada do “Bom Dia Espírito Santo” (discípulos de tudo o que fez mal à fé e àquilo que um dia foi igreja), o Espírito Santo se tornou o Costureiro, o Design de Moda, o camareiro da cantora.

  1. Você pode imaginar qualquer dos apóstolos dizendo que começou a pular e a levantar as pernas, numa sensação alucinantemente gostosa, no meio de uma Praça de Roma ou Éfeso, apenas porque teve um click? Esse entusiasmo não vem do Espírito, mas de outras fontes. Vem até da fuga.

  1. Você pode imaginar alguém de confiança no Evangelho dizer que, de repente, no areópago, após ter um click que o fizera dançar como uma das sacerdotisas de Afrodite fazia, em transe ante o público; e, após um tempo, ter ouvido de um discípulo que disse estar vendo o Leão, com fogo ao redor; e que, em razão disso, a pessoa pulante viesse a se jogar no chão, totalmente consciente de si (fazendo do transe anterior uma farsa); e, após isso, começar a andar como uma leoa, de quatro, com um Sure bem fálico na mão, indo de um lado para o outro; enquanto pensava: “É… agora a minha reputação acabou. Agora vou ver quem vai ficar comigo”? Sim! Porque houve transe para tudo: para andar de quatro; para virar Leão porque alguém disse; e porque outros igualmente do ramo já fizeram a mesma coisa. E mais: houve tempo no transe para se preocupar com a própria “reputação”. E ainda: houve transe para (no transe no qual ela se preocupa com sua própria reputação) receber direção de palco do próprio Leão, etc. Só não houve transe em dois momentos: quando ela teme pela reputação; e quando ao terminar o show do Leão, a moça disse que não sabia como levantar e nem o que dizer. Então, na dúvida, assim procedeu: “Quando parei, não sabia como ou que fazer ao me levantar. Ainda no chão, me ergui de meio corpo e gritei: “Um brado de vitória ao Senhor”, (sem saber se alguém responderia), e o som foi poderoso.” Portanto, a imagem pública tem tudo a ver com tais transes, para o bem e para o mal. Assim, que transe é esse? Ou não está o espírito dos profetas sujeito aos próprios profetas? Acontece que esses profetas são pró-festas; e pronto.

  1. Você pode imaginar que nos ensaios deste grupo eles recebam o Leão, sem Sure na mão, sem luzes e palco, sem show e público? Sim! Porque se eles assim fizerem sozinhos; ou, melhor ainda: sem ninguém, no quarto ou em casa — mesmos achando tudo uma grande maluquice, e mesmo sabendo que tais coisas são manifestações da alma sem raiz no espírito do Evangelho, porém possessa de vaidades que decorrem das síndromes de lúcifer que acometem “estrelas” (soberba psicológica, sutil e progressiva), ainda assim eu respeitaria como engano e infantilidade sinceros. Mas no palco, com os aparatos dos shows, em suposto transe que não suspende a preocupação com a imagem nem na hora de receber o Leão — fica difícil sequer apenas olhar o lado da loucura psicológica e apenas para o surto de messianismo narcisista, pois, as implicações sobre milhares de alminhas tolas, são fortes e danosas.

Lamento muito!

Por que começam no Espírito e terminam sempre no espírito Costureiro, ou Banqueiro, ou Interesseiro?

Por que não podem amar a sobriedade e apenas buscarem ser o que Jesus ensinou?

Por que será que sem loucura eles não conseguem crer no poder de Deus?

A palavra que conhecem é a de seus corações e não a que é Sobre seus corações; pois, caso tivessem a palavra na Palavra e não em seus impulsos sem a Palavra, jamais fariam loucuras desse tipo em nome do Leão da Tribo de Judá.

Ninguém deixe de vigiar a fim de não brincar com fogo estranho!

Sim! É preciso ter cuidado com o fogo estranho. É preciso lembrar sempre dos filhos do sacerdote Arão.

Isso, amigo Riva, é o que tenho a dizer como coisa que julgo séria e importante.

Um beijo!

Nele, que é o Leão de Judá, mas nunca andou de quatro e nunca rugiu para mostrar que era,

Caio

27/06/07

Lago Norte

Brasília

**************************************

Caso não tenha lido o relato-texto ainda: CLIQUE AQUI
Confira o comentário de Riva Moutinho ao relato-texto em questão: CLIQUE AQUI

Pesquisa: Congresso do Brasil é o mais caro

FONTE: Globo.com

O custo anual do Congresso brasileiro por habitante, de R$ 32,49, é o terceiro mais caro entre 12 países. No entanto, considerando esses mesmos países, é o Legislativo que mais pesa no bolso da população, aponta pesquisa do instituto Transparência Brasil, divulgada nesta quarta-feira (27).


O levantamento avaliou ainda os orçamentos dos Congressos da Alemanha, Argentina, Canadá, Chile, Espanha, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Itália, México e Portugal. Veja o custo de cada um dos países.

País Custo anual por habitante PIB per capita Salário mínimo anual Total de parlamentares
Itália R$ 64,46 R$ 60.250.71 R$ 28.173,00 945
França R$ 34,00 R$ 60.590,38 R$ 39.383,00 745
Brasil R$ 32,49 R$ 18.118,84 R$ 4.940,00 594
Canadá R$ 28,87 R$ 69.996,85 R$ 28.272,00 413
Estados Unidos R$ 27,00 R$ 85.878,81 R$ 20.364,00 535
Alemanha R$ 25,60 R$ 61.172,01 R$ 38.803,00 614
Reino Unido R$ 23,38 R$ 69.515,99 R$ 36.338,00 646
Portugal R$ 20,73 R$ 44.605,71 R$ 10.608,00 230
Chile R$ 12,49 R$ 26.242,04 R$ 5.530,00 158
Espanha R$ 11,54 R$ 54.074,81 R$ 15.307,00 609
México R$ 11,28 R$ 22.358,06 R$ 2.076,00 628
Argentina R$ 10,87 R$ 32.435,29 R$ 4.927,00 329

Considerando o custo real, o orçamento do Congresso brasileiro é o terceiro mais caro, ficando atrás dos Legislativos italiano, que custa R$ 64,46 por habitante, e o francês, que custa R$ 34.

Para chegar ao dado de que o Congresso brasileiro é o que mais pesa no bolso da população, o levantamento levou em consideração o Produto Interno Bruto (PIB) per capita e o salário mínimo de cada país. Ou seja, embora outros países tenham orçamento maior, os valores pesam menos no bolso porque o PIB per capita e o salário são maiores.

“O presente levantamento reforça a percepção de que os integrantes das Casas legislativas brasileiras perderam a noção de proporção entre o que fazem e o país em que vivem”, disse o diretor da Transparência Brasil, Claudio Weber Abramo, na avaliação da pesquisa.

26 junho 2007

CAMINHO DA GRAÇA com Pr. Caio Fábio
Você tem medo das coisas excelentes?

Foto: José Reis

O chamado do Evangelho só não é megalomaníaco porque Jesus de fato ressuscitou dos mortos. Do contrário, a oferta do Evangelho seria inconcebivelmente constrangedora, de tal megalomaníaca que ela é.

Aliás, tudo em Jesus é assim. Afinal, somente a divindade de Jesus pode salvá-Lo de sua mais total megalomania.

O fato é que se dizemos que Jesus é Deus, por assim crermos de coração, então, o que seria megalomania, agora é divindade.

Entretanto, diante de Jesus temos apenas duas opções: ou “O” vemos como Deus ou o vemos como o Doido; pois, somente Deus poderia dizer o que Jesus disse sem ser megalomaníaco, um doido, ou melhor: o Doido dos doidos.

Mas se Ele é Deus, então, o que seria megalomania é agora Promessa de Deus sobre os homens.

Veja algumas delas:

1. O Cordeiro é a “Oferta” pela Criação antes de haver qualquer coisa criada. Por isto, a criação nasceu sob o signo da Graça, e se culminará na Graça, conforme a imagem arquetipica da Nova Jerusalém, na qual até os que vêm de fora encontram nas folhas da Árvore da Vida a sua cura.

2. O segundo Adão é maior que o Primeiro, pois, este foi feito Daquele e os malfeitos deste não podem ser maiores que os bem-feitos Daquele. Assim, se Jesus é maior que Adão, então a Graça é maior que a Queda; do mesmo modo que Aquele que é espírito vivificante é maior do que aquele que é apenas alma vivente.

3. A Fé é maior que as Obras, pois, sem fé não há obras de fé; e sem fé é impossível agradar a Deus por nenhuma obra.

4. A Promessa é maior que a Lei, pois, veio antes dela e permaneceu após a extinção daquela.
5. A glória da Lei é desvanecência ante a glória da Graça: por isto Moisés cobria o rosto com véu; e nós tiramos o véu do rosto para crescermos de glória em glória.

6. O Ministério do Espírito é maior que o Ministério da Lei, pois, este gera a morte e aquele produz vida.

7. A Misericórdia é maior que o Juízo, pois, este é sem misericórdia; Deus, porém, ama mais a misericórdia que o juízo.

8. A Justificação é maior que a Justiça, pois, esta se faz exercer como direito adquirido pelo homem, e aquela como direito imputado por Deus.

9. A Palavra é maior que a Escritura, posto, que já existia antes de qualquer coisa haver sido escrita.

10. O Invisível é maior que o Visível, pois, este decorre daquele e existe dentro do que não aparece.

11. A Revelação é maior que a Razão, pois, esta é um sistema e aquela é uma Graça não-sistêmica; portanto: aberta ao infinito.

12. O Homem é maior que a Lei, pois, esta foi feita para o bem daquele, e não aquele para o bem desta.

13. O Amor é maior que Tudo, pois, Deus é amor; e sem amor nada do que foi feito tem qualquer significado.

14. O Homem é mais velho que a Mulher, pois, esta foi tirada daquele. Assim, o homem é maior na idade, mas depende dela no tempo, posto que é nascido de mulher.

15. A Mulher é mais refinada que o Homem, mesmo ele sendo a coroa da criação, pois, o homem é a glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem.

Sendo assim, vale perguntar:

1. Por que será que os cristãos sempre dão mais valor ao que é inferior e não àquilo que é superior?

2. Não será porque nossa escolha revela nossa pequenez e nosso assombramento ante as coisas excelentes?

3. Ou será medo de ser feliz?

Sim! Tente responder, pois, somente você mesmo pode explicar por que ante tanta certeza, esperança, graça e amor, sua alma prefere o pânico, o medo, as incertezas, as dúvidas e as confusões de uma jornada na qual primeiro Deus cria, depois se esfola para concertar; na qual a Graça é sempre menos forte na consciência que a Lei da morte; na qual tudo de mal é mais forte que tudo de bom; na qual o pecado vence a Cruz; na qual o diabo vence a Jesus; na qual o Velho desbanca o Novo Eterno; na qual Adão é maior que o Salvador; na qual a Serpente vence o filho da mulher que lhe pisa na cabeça; na qual cada maldição da Queda é guardada como herança moral e honrada; na qual a Escritura é maior que a Palavra; na qual o Sábado das tradições humanas é maior que o homem sem nome; e na qual, digo nessa jornada, tudo o que se escolhe é contra nós mesmos, mesmo em face da oferta do Evangelho e mesmo ante o olhar de Graça do Cordeiro eterno.

Pense nisto; e, se você identificar que em você tem sido assim, pergunte: De onde vem esse espírito de morte, que só me impulsiona a escolher o pior?

Sim! Barre esse espírito de morte e de medo do que é bom, e que lhe está oferecido como todo bem no Evangelho da Vida.

******************************************

PROGRAMAÇÃO DA RÁDIO:
Mensagens todos os dias às 10h, 17h e 22h
Toda terça às 20h Conferência ao Vivo
Todo domingo às 19:45h, ao vivo, do Teatro la Salle em Brasília
Acesse através do link no canto superior direito desta página.


Caio Fábio coordena o Caminho da Graça em Brasília.
Há Estações do Caminho da Graça em BH, RJ, SP, Santos, Manaus, Campo Grande(MS), Sete Lagoas(MG), Uberlândia(MG), Niterói(RJ), Londres(Inglaterra) entre outras cidades.
Conheça o site www.caiofabio.com

MÁRIO DE OLIVEIRA PODE SER CASSADO
FONTE: Jornal O Tempo


Deputado pode ter mandato cassado

PTC entra com representação na Câmara contra Mário de Oliveira, suspeito do plano para matar o parlamentar Carlos Willian



O Partido Trabalhista Cristão (PTC), legenda do deputado federal Carlos Willian (MG), entrará com uma representação no Conselho de Ética da Câmara Federal com objetivo de cassar o mandato do também deputado federal Mário de Oliveira (PSC). Willian tornou pública na última sexta-feira informação repassada a ele pela Polícia Civil de Osasco (SP) de que uma quadrilha teria o plano de assassinálo. As investigações apontam Oliveira como suspeito de ser o mandante do crime.

O presidente nacional do PTC, Daniel Tourinho, afirmou ontem que sua legenda já designou o advogado Luis Carlos Silva Neto para cuidar do caso e que hoje, na capital federal, haverá uma reunião entre eles e o deputado Carlos Willian para tratar da representação. "É um assunto extremamente grave, que, de um lado, envolve matéria de direito penal e do outro, a questão política. O partido não vai se omitir", avisou o presidente do partido. Tourinho afirmou ainda que terá acesso a documentos do inquérito policial remetido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para definir detalhes da ação contra Mário de Oliveira.

"Fiquei profundamente chocado e triste, até porque eu conheço o deputado Mário de Oliveira há muito tempo, bem antes de conhecer o Carlos Willian", disse, emendando que não sabe notícias do parlamentar suspeito de planejar a morte de seu correligionário. O deputado Carlos Willian afirmou ontem não ter pretensões de prejudicar Oliveira, entretanto, quer dar uma satisfação à sociedade sobre o caso, uma vez que o esquema vazou para a imprensa.

"Não quero prejudicar ninguém. Acho que Deus me deu a vida de novo, me libertou, me tirou da morte. Eu não tenho propósito de vingança, mas preciso dar uma satisfação à sociedade sobre o porquê da intenção desta pessoa em me matar", considerou Willian, que, assim como Oliveira, é pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular.

Plano
Radialista, Willian divulgou na sextafeira passada nota à imprensa informando sobre a existência de uma quadrilha que teria planos de executá-lo. Segundo o parlamentar, a Polícia Civil de Osasco prendeu integrantes do esquema com fotografias, endereços, placas de veículos e um plano com toda a rotina de horários de chegadas e saídas a lugares por ele freqüentados.

Um dos presos, informa também a nota, teria confessado o plano para assassiná-lo. O pistoleiro contratado para o serviço, conhecido como Alemão, está foragido. Ele receberia R$ 150 mil pelo serviço, mas parte deste valor teria sido entregue pelo mandante antecipadamente, incluindo uma motocicleta no valor de R$ 30 mil.

Sorte
De acordo com informações da Polícia Civil de São Paulo, o deputado Carlos Willian escapou de execução na última quinta- feira, na rodovia MG-10, que liga o aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins (na Grande Belo Horizonte) à capital mineira. A expectativa da quadrilha envolvida no esquema era de que o parlamentar desembarcasse em avião de carreira neste dia, mas ele veio da capital federal para Minas Gerais na comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que esteve em Belo horizonte para inaugurar a duplicação da avenida Antônio Carlos.




Suplentes querem rigor na apuração


O suplente do deputado federal Carlos Willian (PTC), Alessandro Marques (PSDC), disse ontem que é um dos principais interessados em desvendar o esquema de uma quadrilha com planos de assassinar seu colega de coligação (“Reconstruindo”). De acordo com Marques, não existe possibilidade de haver suspeita sobre ele porque os dois são amigos e sua condição financeira é estável.

“Quando fiquei sabendo do caso entrei em contato com o Willian para dar um apoio. Nos tornamos amigos durante a campanha. Isso tem que ser apurado com afinco, é inadmissível. Quem tem direito de tirar a vida de alguém é Deus”, declarou Marques, que obteve apenas 1.427 votos a menos que Willian. Assim como ele, o presidente do PSDC em Minas, Augusto Brant Rocha, recebeu a informação de atentado contra Willian com perplexidade. “É uma situação incômoda. Parece filme de televisão. Temos que aguardar o desenrolar para ver o que motivou”, avaliou Rocha.

Beneficiados
De outro lado, lideranças do PSB já dão como certa a conquista de mais uma vaga pelo partido, com a saída de Mário de Oliveira, suspeito de tramar contra a vida de Willian. Isso apesar de a representação do PTC contra Oliveira ainda estar sendo elaborada pela equipe jurídica do partido. É que os dois primeiros suplentes de Mário de Oliveira (PSC) são ex-deputados do PSB. O primeiro é o ex-deputado federal Mário Assad Júnior (PSB), atualmente secretário de Relações Institucionais do prefeito Fernando Pimentel (PT).

O segundo é Carlos Mota, que não obteve votos válidos para se reeleger. “Sou suspeito porque sou primeiro suplente. Lamento muito a gravidade do fato, defendo uma apuração rigorosa, mas me sinto constrangido para comentar sobre isso, já que em tese, sou parte interessada”.Integrante da coligação “Justiça Social”, Assad Júnior obteve 70.584 votos contra os 77.719 votos de Oliveira. Já Mota, obteve 42.439 votos. Entre os dois estava apenas o deputado reeleito Júlio Delgado, também do PSB, com 75.504 votos. (DM)




Mário de Oliveira alega armação


O líder do PSC na Câmara, deputado federal Hugo Leal (RJ), afirmou ontem que tem reunião marcada com o deputado federal Mário de Oliveira, em Brasília, para que ele dê sua versão sobre o caso. “Eu falei com o deputado Mário de Oliveira hoje (ontem) pela manhã e ele me disse que está vindo amanhã (hoje) para Brasília. Convoquei uma reunião com outros deputados do partido para a gente conversar sobre isso, mas ele (Oliveira) negou as acusações. Ele disse que é uma armação muito grande contra ele e contra a família dele.

Por enquanto, não posso tomar nenhuma medida. Vamos conversar e analisar a defesa dele”, justificou Leal. O líder disse também que não pode fazer nada a respeito da representação a ser protocolada no Conselho de Ética pelo presidente do PTC, Daniel Tourinho, contra Oliveira, suspeito de ser o mandante de um esquema de execução do colega, deputado federal Carlos Willian (PTC).

“Isso não está na minha alçada. O que eu posso fazer e vou fazer é abrir uma avaliação interna no partido com oportunidade de defesa.” Segundo informações do próprio Willian, ele e Oliveira tiveram uma relação próxima por serem integrantes da Igreja Quadrangular, entidade religiosa presidida pelo último.

As desavenças teriam começado em meados de 2002, quando Willian foi eleito deputado federal pela primeira vez, mas Oliveira teria pedido a ele para renunciar e repassar a cadeira para um afilhado dele, pastor Antônio Carlos. “Quando eu disse que não renunciaria começou a revolta dele”, contou Willian, emendando que já representou contra o colega na corregedoria da casa por ele ter tentado agredi-lo fisicamente durante a posse no início deste ano. (DM)




Parlamentar suspeito chega hoje a Brasília


BRASÍLIA - Para que um inquérito seja provocado pela Mesa Diretora e instaurado no Conselho de Ética da Câmara, a corregedoria precisa concluir as investigações da denúncia e enviar à mesa, que decide pelo arquivamento ou acatamento da representação. Neste último caso, ela pode encaminhar ao conselho um pedido de advertência verbal, advertência oral, suspensão temporária ou cassação.

Assim que o órgão que julga o decoro parlamentar dos deputados abra o processo, mesmo que o deputado investigado renuncie ao mandato, seus direitos políticos não poderão ser mantidos, caso ele venha a ser cassado. Ontem, Mário de Oliveira passou o dia em Belo Horizonte e não atendeu seu telefone celular. Em seu gabinete, assessores informaram que ele ainda consultava advogados para se pronunciar posteriormente. Hoje ele segue para Brasília no começo da tarde. O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP) passou o dia em Palmas, no Tocantins, e não se pronunciou sobre o assunto. (HFJ)




Brigas começaram em janeiro


HÉDIO FERREIRA JÚNIOR

BRASÍLIA – Hoje, o corregedor- geral da Câmara, Inocêncio de Oliveira (PRPE), irá tomar conhecimento da denúncia de tentativa de homicídio para decidir se mantém as investigações da representação movida por Willian contra o colega no início da legislatura. Em 1º de fevereiro passado, Carlos Willian entrou com uma representação pedindo a cassação do colega por quebra de decoro. No dia da posse, os dois deputados teriam se estranhado em encontro no cafezinho do plenário.

De acordo com testemunhas, Mário de Oliveira teria xingado o colega com palavras de baixo calão. Outra discussão teria acontecido, posteriormente, em um dos elevadores que dão acesso aos gabinetes do anexo IV da Casa. Em abril, um pedido de urgência de julgamento da representação foi enviado à corregedoria por Willian, que dizia, na época, temer por sua integridade física. Inicialmente, o corregedor buscou a conciliação dos colegas, em vão. A investigação da representação estava parada.

25 junho 2007

MÁRIO DE OLIVEIRA TERIA ENCOMENDADO MORTE DE CARLOS WILLIAM POR R$ 150 MIL






FONTE: Estado de Minas

Deputado Mario de Oliveira, Pastor da Igreja Evangélica Quadrangular é acusado de planejar assassinato de colega

Carlos Willian (PTC-MG) seria alvo de atentado encomendado por Mário de Oliveira (PSC-MG). Crime, que custaria R$ 150 mil, seria praticado quinta-feira, na estrada que liga Confins à capital.

Inquérito instaurado pela Polícia Civil de São Paulo apura a tentativa de homicídio contra o deputado federal Carlos Willian (PTC-MG), a mando de outro parlamentar mineiro, Mário de Oliveira (PSC-MG). Um pistoleiro profissional, de apelido Alemão, de acordo com os autos, foi contratado para executar o serviço, que custaria R$ 150 mil. A peça foi remetida ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela juíza Andréa de Abreu e Braga, do Tribunal de Júri de Osasco (SP), exatamente por envolver dois deputados federais. As divisões de Repressão aos Crimes contra o Patrimônio, das superintendências de Minas e de São Paulo da Polícia Federal, investigam o caso.

Alemão esteve em Belo Horizonte várias vezes este ano, a partir de janeiro. A última tentativa ocorreria quinta-feira, na estrada que liga o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, à capital mineira, mas não deu certo, porque o deputado Carlos Willian veio para BH na comitiva do presidente Lula. Alemão recebeu R$ 75 mil adiantados para executar o serviço. Na portaria para instalação do inquérito, o delegado Marcos Rodrigues de Oliveira relata que “Alemão permaneceu em Belo Horizonte no período de janeiro a abril, quando não matou a vítima por circunstâncias alheias à sua vontade”. O delegado entendeu haver “em tese o crime de homicídio tentado”.

Em depoimento no 7º Distrito Policial de Osasco, Odair da Silva, freqüentador da Igreja Quadrangular, confessou que, a pedido de Celso Braz do Nascimento, chefe de comunicação da igreja, contratou, por R$ 150 mil, um pistoleiro para executar Carlos Willian. Mário de Oliveira é o presidente nacional da Quadrangular. Odair contou que esteve quatro vezes com o deputado, “que questionou sobre o serviço, querendo saber se ele iria mesmo fazê-lo”, conforme Termo de Declarações. O deputado foi descrito como “aparentando ter cerca de 60 anos, alto e calvo”.

Além do fato de Carlos Willian acompanhar Lula, outro fator contribuiu para a não-realização do crime. A polícia paulista apurava uma outra execução em Osasco e recebeu denúncia anônima apontando Alemão como autor. Em novo telefonema, teve a informação de que ele estaria em um shopping da cidade. A campana acabou por prender Odair da Silva. Alemão fugiu, mas deixou para trás um cartão de memória em que havia gravações de conversas com Odair.

De acordo com o relatório policial, havia nessas conversas “a encomenda de crime de homicídio, com a contratação do matador de aluguel feita por Odair da Silva, a pedido do assessor político Celso Braz do Nascimento e o mandante do assassinato, o político deputado federal Mário de Oliveira, cuja vítima seria outro político, o deputado federal Carlos Willian de Souza”.

Entre os objetos encontrados com Odair, estavam cópias da carteira nacional de habilitação de Geraldo Aguiar dos Santos e de Marcos Régis de Moraes, o Marquinhos, motorista do deputado Mário de Oliveira. Odair explicou que “as utilizava para abater nas verbas de despesas de gabinete”. Foram encontradas também anotações de placas dos veículos HDQ-0220 e HAQ-4904, “ambos cedidos pela assessoria do deputado Mário de Oliveira e usados por Odair quando em serviço em Belo Horizonte”. Os automóveis são cadastrados na Rua Marambaia, 55, um dos endereços residenciais de Mário de Oliveira. Ninguém mais está preso. Embora o Ministério Público tenha pedido a prisão provisória dos envolvidos, a juíza decidiu mandar o caso para o STF, por envolver dois deputados federais.

Procurado pelo Estado de Minas, Carlos Willian confirmou que foi comunicado dos fatos pelas autoridades policiais de São Paulo. E se disse “estarrecido, porque não existem motivos para uma tentativa de atrocidade tão grande”. Afirmou ainda “acreditar em Deus, que até agora me livrou desses atentados”, e confiar na PF e no Judiciário. O parlamentar e seus familiares estão sob proteção policial.

A reportagem tentou contato com o deputado Mário de Oliveira, mas não conseguiu localizá-lo na tarde de ontem.

Na estrada

No cartão de memória de Alemão, apreendido pela Polícia Civil de Osasco (SP), havia várias gravações de conversas entre o criminoso e Odair da Silva. Em algumas delas, eles combinavam o assassinato de Carlos Willian para quinta-feira. Odair viria a Belo Horizonte no mesmo avião que o deputado e daria a Alemão, por telefone, as coordenadas para que ele pudesse consumar o assassinato, na estrada que liga o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, a Belo Horizonte. Ele revelou que o deputado seria buscado por um motorista numa Zafira e que costumava viajar com os vidros abertos.

Confira alguns trechos da conversa

“A Zafira é blindada?

Não, não é…

Então acompanho ele, pego e dou um sarrafo nele.

No aeroporto não, é tudo filmado.

Não, é na estrada. Na estrada eu emborracho ele.

Vou te seguir até onde dá (sic).

Vou descer com ele no avião. Te dou as instruções na descida.

O dinheiro do pagamento está na mão, né? É sete cinco, sete cinco. Fora aquele outro dinheiro, porque vou ter que ficar cinco dias aqui, para esfriar o caso.

Vou te ligar quando o avião descer. Vou na quinta, mas te ligo, porque ele muda muito de horário.”

TU ME AMAS?
Por Riva Moutinho

Cena do Filme A Paixão de Cristo de Mel Gibson

A Palavra nos alerta que o amor se esfriaria em muitos; e de fato isto tem acontecido. São guerras, destruição do meio ambiente, egoísmo e todas as variantes que o não-amor poderia criar. Muitos valores desceram pelo ralo do descaso e o mundo, a cada dia, toca com mais harmonia a música fúnebre dos fins dos tempos.

“Ainda que eu fale a língua dos homens e dos anjos (...) se não tiver amor, nada serei.” (I Co. 13:1 e 2)

O princípio elementar de Cristo, mesmo sendo peça-adquirida de diversos segmentos religiosos, nem de perto foi seguido: o amor. O amor é a causa de valores preciosos na vida. É onde me dou sem me importar com gratificações. Jesus veio mostrar que o homem não precisava de uma série de regras que limitariam sua expressão de ser. Bastava o homem aprender com Ele o que é o amor e colocá-lo em prática. Por isso Jesus resumiu todas as regras em duas ações: Ame a Deus acima de todas as coisas e ao teu próximo como a ti mesmo. (Leia Mt. 22:37 – 40)

Há milhões de seguidores de Cristo espalhados pelo mundo, alguns carregam bandeiras de religiões outros não, mas o fato é: Seguir a Cristo não seria imitá-lo? Não seria seguir o que Ele ensinou?

Tendo um dia escolhido a mim e a você, Ele não vislumbrou a nossa miserabilidade, antes só pensou em si entregar para que pudesse ver a cada um de nós livres de todos os fardos que o mundo nos daria e nos ensinaria, muito das vezes, sutilmente.

“...Tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (João 16:33)

E Ele venceu o mundo com amor.

Como estamos tentando vencer o mundo? Com ódio, egoísmo, estrelismo, fazendo acepção de pessoas? Com buscas excessivas do ter? Publicando em outdoors o argueiro no olho do próximo e escondendo nos porões nossas traves? Com ritos, religião, máscaras, puxa-saquismo, hipocrisia, barganhas?

As religiões criadas não se preocuparam em praticar o amor, apenas em si propagarem, como se quantidade fosse algo que tivesse importância para Deus.

A vida não pode ser um barco sem rumo. A Graça de Deus não é o aval para as irresponsabilidades ou a permissão para os desejos nocivos da alma. Ao contrário, é amor. Logo, as podridões mascaradas de guloseimas não encontram paladar. Logo já não sou eu quem vive em mim, mas Cristo. (Leia Gl. 2:20)

Pai, ensina-me a não transformar a mediocridade deste mundo em padrão moral para a minha existência e nem a ser enfeitiçado pela sequidão que brota em todos os cantos. Que haja força de Ti no meu ser e que a cada dia eu possa aprender sobre o amor, vivê-lo e praticá-lo tornando-me assim um real seguidor de Jesus.

BH, 15/05/2007

24 junho 2007

HORA DE PARTIR
Fonte: Veja online

O senador Renan Calheiros, na sua batalha para provar que o lobista da empreiteira Mendes Júnior não pagou suas despesas pessoais, começou a semana passada disposto a desmoralizar seus acusadores, arquivar as investigações e voltar a presidir o Senado sem atropelos. Terminou a semana errando em todos os alvos. Suas explicações sobre negociações de gado, que justificariam o tamanho de seu patrimônio, acabaram desmoralizadas por uma perícia da Polícia Federal, as investigações serão estendidas por no mínimo trinta dias – e a cadeira de presidente do Senado ocupada por Renan já começou a ser negociada pelos senadores. O presidente Lula, como sempre faz nos momentos em que um aliado começa a cair em desgraça, passou a tomar distância técnica de Renan, a quem vinha prestando solidariedade diária. Entre os principais partidos no Senado, todos querem a cadeira, mas é difícil tomá-la sem negociar com os demais. Há quem acredite que Renan só se mantém presidente da Casa porque ainda não houve acordo sobre o sucessor. Percebendo o clima hostil, Renan partiu para um recurso de desespero, que lembra os momentos de agonia de outro político alagoano, Fernando Collor: começou a assoprar ameaças e chantagens contra colegas de Parlamento.
Desde que o escândalo estourou, há um mês, é a primeira vez que o Senado parece perceber que as estripulias do senador estão afundando a própria instituição. É cedo para dizer que o Senado, finalmente, vai reagir, mas começam a aparecer os primeiros sinais nesse sentido. Com tudo o que já veio à tona – sobre suas relações promíscuas com o lobista, sobre as mentiras que contou aos senadores, sobre sua defesa, que requer sempre um complemento – Renan Calheiros perdeu as condições de manter-se na presidência do Senado. Ou Renan deixa o comando da Casa. Ou a Casa afunda com Renan. Os pedidos para que se afaste começaram com o senador Pedro Simon, do PMDB gaúcho. "Eu acho que este é o momento em que sua excelência, por conta própria, deveria renunciar ao seu mandato de presidente do Senado." Outros três senadores defenderam o mesmo. Renan não lhes deu ouvidos. Disse que renúncia é uma palavra que não existe no seu dicionário.

Fotos Lula Marques/Folha Imagem e Cristina Gallo/Bg Press
Reunião do Conselho de Ética, que vinha dando um show de sabotagem contra a investigação, e dois soldados da tropa de Renan: Romero Jucá (no alto, à dir.), que faz tudo para limitar a apuração, e Sibá Machado (à dir.), presidente do Conselho, que começa a dar sinais de alguma independência em relação a Renan

Paradoxalmente, o próprio Renan deu o impulso que faltava para que o Senado recuperasse um pouco de lucidez com sua defesa tão inconsistente. O senador entregou um pacote com extratos bancários, declarações de renda, notas fiscais, recibos e guias de transporte animal, as GTAs, que autorizam o trânsito de animais vivos. Sua idéia era provar que, entre 2003 e 2006, teve rendimentos de 1,9 milhão de reais com a venda de gado. Com isso, provaria que tinha recursos para bancar a pensão de 12.000 reais que pagava à jornalista Mônica Veloso, mãe de sua filha, sem recorrer aos favores financeiros do lobista da Mendes Júnior. Deu tudo errado.

Em apenas dois dias úteis de trabalho, a perícia da PF examinou os papéis e descobriu flagrantes inconsistências. Com as notas fiscais, o senador tentou provar a venda de 2.213 cabeças de gado, que supostamente lhe renderam 1,9 milhão de reais. Ocorre que as GTAs registram a venda de 1.702 cabeças de gado – das quais, para piorar, 549 nem pertenciam ao senador, mas a seus parentes. Resultado: o senador reuniu papéis que informam a venda de 1.153 animais, o que lhe renderia cerca de 1 milhão de reais. De onde vieram os outros 900.000 reais? Quando se confrontam as notas fiscais e GTAs com as declarações de imposto de renda do senador o resultado é dramático. É tal o volume de contradições que é custoso acreditar que Renan tenha apresentado esses papéis como peça de defesa. O conjunto mais parece obra de inimigos dispostos a desmascará-lo, porque nada bate com nada.

Os exemplos aparecem aos borbotões. Em 2005, para ficar só num caso, as notas fiscais informam que o senador vendeu 1.292 cabeças de gado. Mas, segundo as GTAs daquele ano, foram só 1.078. E, pela declaração de renda, foram 536. Uma simples perícia documental trouxe tantas incongruências à tona. Dá para imaginar o que pode aparecer numa perícia contábil para descobrir se os negócios foram efetivamente realizados. O Conselho de Ética, ao decidir aprofundar um pouco as investigações, pediu à Polícia Federal que fizesse uma perícia contábil. A questão inicial a que o Conselho terá de responder é a seguinte: os negócios de Renan, para que sejam considerados reais, e não meras fantasmagorias contábeis, deverão estar em sintonia com que papéis? Com as notas fiscais? Com as GTAs? Com as declarações de renda?

O primeiro sintoma do desmoronamento da defesa do senador foi a perda do controle que exercia sobre o Conselho de Ética. Até então, em sua maioria, os membros do Conselho protagonizavam um espetáculo lamentável em que simulavam o desejo de investigar, mas manobravam para sepultar as investigações. O senador Romero Jucá, líder do governo, empenhou-se sempre em limitar o alcance das investigações. O presidente do Conselho, o senador Sibá Machado, marcou e desmarcou sessões segundo a conveniência de Renan. Mais tarde, mostrou-se mais independente ao interpretar que já há processo de cassação instalado contra o senador. Isso significa que sua eventual renúncia não preserva mais seus direitos políticos. O outro sinal de perda de maioria política do senador apareceu na tática desesperada de espalhar ameaças, chantagens e baixarias.

Na quarta-feira, o senador Efraim Morais, do DEM da Paraíba, chegou ofegante à reunião de cúpula de seu partido e suplicou: "É melhor a gente acabar logo com isso ou a turma deles vai lançar dossiê contra todo mundo". Efraim, parlamentar próximo de Renan, não explicou quais eram as ameaças, mas logo a tropa espalhou dois casos. O primeiro caso informava que um senador devia 50 milhões de reais ao Banco do Nordeste. O devedor apareceu. Era o senador José Agripino, que explicou serenamente a dívida, de 11 milhões de reais, e frisou que a existência de uma dívida não desabona ninguém. O outro caso dizia que um senador viajara para os Estados Unidos na companhia da amante com verbas do Senado. O suposto chantageado também apareceu. Era o senador Demostenes Torres, que explicou o caso com serenidade. "Lamentavelmente, a assessora não é minha amante, porque ela é linda", tripudiou Torres. Ele usou verbas do Senado para viajar com a assessora para a Assembléia da ONU em Nova York, o que é permitido pelo regulamento da Casa. Se tudo isso não é suficiente para mostrar que Renan Calheiros perdeu por completo as condições – políticas, morais – de presidir o Senado, o que mais é preciso?

A MELHOR BANDA DE TODOS OS TEMPOS: U2
Escolhida pelos internautas do Ação Reação - Parte III

FONTE: Wikipédia

Achtung Baby, Zooropa, ZooTV

Após um período de férias, a banda juntou-se em Berlim, nos fins de 1990 para começar a trabalhar no seu próximo álbum de estúdio; mais uma vez Brian Eno e Daniel Lanois foram escolhidos para o produzir. As primeiras sessões não terão corrido muito bem, mas a banda conseguiu mesmo assim apresentar o álbum em Novembro de 1991. Carregado de distorções e experimentalismo, o álbum foi muito bem recebido pelos fãs e crítica especializada. Achtung Baby é até hoje considerado um dos melhores álbuns do U2. Bono diz, a respeito do álbum, que é "o som de quatro homens derrubando o Joshua Tree a machadadas".

Nos princípios de 1992, começaram a turnê por terras americanas, chegando a ter a participação de Axl Rose em um dos shows. O espectáculo de multimídia, conhecido como “ZooTV”, confundia as audiências, com centenas de ecrãs de vídeo, carros voadores e personagens como “The Fly”. Esta turnê era uma tentativa dos U2 gozarem com os excessos do rock, de forma a parecer que tinham abraçado a ganância e a decadência – por vezes mesmo fora do palco. Muitos não terão percebido isso, e pensaram que os U2 tinham perdido a chama. Seguindo o mesmo tema, voltaram a estúdio – em um intervalo da turnê de “ZooTV” – e gravaram “Zooropa” que foi editado em Julho de 1993. O suco de limão de "Lemon" (no início dos shows os membros saíam de dentro de um limão gigante) e a coreografia estabanada em "Discothèque" (principalmente de Larry Mullen Jr., visivelmente constrangido em participar de tamanho mico) foram um fiasco total nos EUA.

Após algum tempo de descanso e de participarem em projetos paralelos como as bandas sonoras de “Batman Forever” e “Mission Impossible", a banda editou um álbum experimental chamado “Original Soundtracks I”. Este álbum, que incluía a participação de Luciano Pavarotti em “Miss Sarajevo”, não teve muita divulgação e como tal, recebeu pouca atenção quer da crítica, tampouco do público. Larry Mullen Jr. o considera de longe, "O pior trabalho do U2. Pior até mesmo que 'Pop'."

POP e PopMart

No início de 1996 começaram a trabalhar no seu novo álbum. “Pop” foi editado em Março de 1997. O álbum chegou a 1º lugar de vendas em 28 países, mas teve críticas bastantes variadas, havendo quem achasse que a indústria musical tinha passado os limites da tolerância na promoção de “Pop”.

All That You Can't Leave Behind e How to Dismantle an Atomic Bomb

No início de 1999 os U2 voltam ao estúdio novamente com Brian Eno e Daniel Lanois na produção. Depois da extravagante turnê “PopMart”, a crítica achou que os U2 estavam a tentar voltar aos tempos de “The Joshua Tree” por forma a tentar manter a sua legião de fãs. Durante as gravações, a banda colaborou com o autor Salman Rushdie que escreveu a letra para a música de “The Ground Beneath Her Feet” baseado no seu livro com o mesmo nome. Essa e outras músicas fizeram parte da banda sonora do filme “The Million Dollar Hotel”, baseado numa história escrita por Bono, e realizado por Wim Wenders, velho conhecido da banda.

“All That You Can't Leave Behind” foi editado em Outubro e foi muito bem recebido, sendo considerado por muitos, (Rolling Stone incluída) a terceira obra-prima dos U2 ao lado de “Achtung Baby” e “The Joshua Tree”. Chegou ao nº 1 de vendas em 31 países; o single “Beautiful Day” foi também um êxito por todo o mundo, tendo inclusive ganho três Grammys. A turnê que se seguiu, chamada “The Elevation Tour” quase foi cancelada devido ao ataque terrorista de 11 de Setembro, mas eles decidiram continuar, acabando por ser considerada a 2ª maior turnê de sempre (em termos de receitas), logo a seguir a “Voodoo Lounge Tour” dos Rolling Stones em 1994. Após o enorme sucesso do álbum e da turnê, muitos fãs da banda consideraram que ela podia ser considerada a “maior banda de rock do mundo” conforme tinha sido dito por Bono um ano antes.

Após o fim da turnê em 2001, os U2 tocaram três músicas em Nova Orleans durante o intervalo do Super Bowl XXXVI. Numa perfomance emocional de "Where The Streets Have No Name", o nome das vítimas do ataque de 11 de setembro, projetados numa cortina, flutuavam em direção ao céu atrás da banda. No fim da apresentação, Bono abriu o seu casaco e revelou uma bandeira americana pintada no tecido. Essa imagem apareceria na capa de inúmeros jornais e revistas. Poucos meses depois, "All That You Can't Leave Behind" ganhou mais quatro Grammy Awards.

Bono continuou a sua campanha pelo perdão da dívida dos países mais pobres durante o verão de 2002.

No final de 2002, os U2 lançaram a segunda parte da sua coleção de grandes hits, o The Best of 1990-2000.

Os artistas de dance music LMC sampleou "With Or Without" na faixa "Take Me to The Clouds Above" que ainda incluiu letras de "How Will I Know" de Whitney Houston. Todos os quatro membros dos U2 autorizaram a faixa, que foi lançada com o título de LMC vs U2. Adam Clayton disse sobre a faixa: "É uma ótima batida e você pode dançar com ela. Eu gosto especialmente do baixo." A faixa liderou o top de singles do Reino Unido em Fevereiro de 2004, o top 5 da Irlanda e o top 10 da Austrália.

Em Abril de 2004, a revista Rolling Stone colocou os U2 entre os 50 "maiores artistas de rock & roll de todos os tempos".

Uma cópia não finalizada do novo álbum da banda foi roubado em Nice, França, em Julho de 2004. Em suma, o álbum foi bem recebido em vários países, como o Reino Unido, mas nos EUA foi recebido com frieza. O pesadelo "Pop" ainda rondava por lá.

O álbum How to Dismantle an Atomic Bomb foi lançado no dia 22 de novembro (23 de novembro nos Estados Unidos); entretanto, em 22 de julho Bono revelou que caso o disco fosse disponibilizado em redes P2P, ele seria lançado imediatamente através do iTunes e estaria nas lojas em um mês. O primeiro single do álbum, "Vertigo", foi lançado no dia 24 de setembro de 2004. A música foi bastante tocada nas rádios e na primeira semana do seu lançamento estreou no 18º lugar na "Modern Rock Tracks Chart" da Billboard e em 46º lugar na "Billboard Hot 100."

U218 Singles

Décimo quarto albúm do U2, lançado em 17 de novembro de 2006, traz dois novos singles: "The Saints Are Coming", um cover da banda escocesa The Skids, gravado em parceria com o Green Day e "Window In The Skies", além de outras 16 músicas escolhidas pelos integrantes do U2 depois de pesquisarem quais seriam os singles da banda mais tocados nas rádios.

Lançado em 2006. Recentemente o grupo fez uma parceria com a banda Green Day e fizeram uma apresentação tocando um cover da música 'The Saints Are Coming' da banda escocesa The Skids. Todo o dinheiro arrecadado pela venda deste single será destinado a ajuda para as vítimas do Furacão Katrina em Nova Orleans pela instituição que The Edge criou para abastecer os músicos de lá. Esta música está incluída na nova coletânea da banda. Desde 'Boy' (1980) até 'How to Dismantle an Atomic Bomb' (2004) esta compilação contém duas músicas novas, além de 'The Saints Are Coming' tem o novo single da banda 'Window In The Skies'.

Discografia

  • Boy, 1980
  • October, 1981
  • War, 1983
  • Under a Blood Red Sky, 1983
  • Wide Awake in America, 1984
  • The Unforgettable Fire, 1984
  • The Joshua Tree, 1987
  • Rattle and Hum, 1988
  • Achtung Baby, 1991
  • Zooropa, 1993
  • Pop, 1997
  • The Best of 1980-1990, 1998
  • All That You Can't Leave Behind, 2000
  • The Best of 1990-2000, 2002
  • How to Dismantle an Atomic Bomb, 2004
  • U2-18Singles, 2006
PRIDE


ONE in Dublin

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More