Featured Video

09 abril 2007

VÍCIOS E VIRTUDES
Por Ricardo Gondim

FOTO: Carlos Rema

Dizem que a genialidade caminha muito próxima da loucura. Todo mundo tem pelo menos uma história de um conhecido inteligentíssimo, mas com um parafuso frouxo.

Não apenas os gênios caminham na fronteira do lunatismo. Todo nós, com nossos atos e atitudes, carregamos a possibilidade de nos desequilibrarmos, tingindo nossa vida com maldade.

Um exemplo. Como gosto de livros, sou atraído pelos alfarrábios. Numa dessas visitas, percebi numa prateleira, uma enorme quantidade de livros empilhados como se tivessem pertencido a uma só pessoa. O gerente do sebo contou-me que aquela biblioteca viera de um funcionário do Banco do Brasil; um desses incansáveis, que não tira férias - no caso dele foram 17 anos sem parar.

Um novo chefe do departamento, precisando fazer uma re-organização interna, insistiu para que ele saísse para descansar durante aquele período de re-estruturação. Um mês depois, tudo estava mudado: a disposição dos móveis, os armários e, principalmente, a arrumação dos postos de trabalho.

Revoltado com a nova disposição, aquele funcionário voltou para casa e se suicidou. Seu minucioso zelo pelo trabalho e sua obsessiva disciplina o deixaram neurótico. A família vendeu todos os livros devido ao seu trágico fim.

Sim, algumas virtudes podem adoecer de tal maneira, que se transformam em defeitos.

Uma pessoa sincera corre o risco de tornar-se inconveniente. Como é desagradável a transparência de alguns críticos que se sentem tão comprometidos de se mostrarem cândidos que acabam sendo pessoas intragáveis. Toda sinceridade precisa vir precedida de graça , intimidade e ser contrabalançada com o conselho.

Os corajosos devem cuidar para não permitirem que sua coragem se transforme em obstinação, porque os obstinados correm o risco de desprezarem igualmente pessoas e sentimentos. Toda intrepidez sem equilíbrio pode transformar-se numa obsessão doentia.

Zelo sem moderação pode degenerar em ativismo. Fica-se tão absorvido no que faz, que passa a sofrer de uma “trabalholatria”; padecendo de um complexo messiânico.

Ser zeloso só é bom quando não induz ao pensamento de que somos deuses. Quando alguém extrapola na busca pela perfeição, tende ao preciosismo, a uma meticulosidade asfixiante. Os olhos de gente criteriosa demais se aguçam como lupas, xeretando até o que não devem..

É preciso que a fé não degringole para dois desvios demasiadamente sérios: credulidade e presunção. Uma pessoa pode ser tão crédula que acredita em tudo o que os outros dizem. Entretanto, o livro de Provérbios afirma (14.15): “O inexperiente acredita em qualquer coisa, mas o homem prudente vê bem onde pisa”.

Ainda existem os que imagimam possuir tanta certeza espiritual que chegam a alucinar de que podem antecipar-se até ao que Deus ainda fará.

Não me sinto livre para caminhar ao lado de pessoas adoecidas por um rigor sobre-humano. Busco estar ao lado de quem relaxa e de quem consegue se encontrar com seus próprios defeitos, e tenta mudá-los, dentro do possível.

Soli Deo Gloria


Conheça o site: www.ricardogondim.com.br


0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More