Featured Video

05 abril 2007

Aeronáutica define investigadores de motim de controladores

FONTE: Globo.com

O Comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, designou, nesta quarta-feira (4), os militares que investigarão a paralisação promovida por controladores aéreos na última sexta-feira (30) e que afetou todos os aeroportos do país. A assessoria de imprensa da Aeronáutica não soube informar quantos são os oficiais, nem em quais cidades eles atuarão. Na terça-feira (3), no entanto, a informação que a assessoria divulgou dava conta de que os militares investigariam ações nos Cindactas 1 (Brasília), 2 (Curitiba) e 4 (Manaus). Os nomes e as cidades serão publicados nesta quinta-feira (5) no "Diário Oficial da União", oficializando o início da investigação.

A investigação promovida pela Aeronáutica foi requisitada pelo Ministério Público Militar (MPM). Os investigadores militares terão um prazo de 40 dias para devolver ao MPM documento com os detalhes da investigação. O MPM, então, terá mais 20 dias para dizer se pede ou não à Justiça Militar a abertura de Inquérito Policial Militar (IPM) contra os envolvidos. O procurador Giovanni Rattacaso acredita que os controladores envolvidos poderão pegar de quatro a oito anos de prisão.

Na tarde desta quarta-feira (4), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou que o governo não tomará nenhuma medida contra os controladores aéreos que se amotinaram na sexta-feira (30). Lembrou que caberá ao Ministério Público Militar propor as sanções e que está disposto a negociar desde que em um ambiente de normalidade.

Punição

O procurador Rattacaso destacou que os militares poderão ser processados independentemente de já estarem, na época que sair a sentença, sob o regime civil de trabalho. O crime será julgado com base no que aconteceu no dia 30 de março de 2007. Se o controlador era militar nesse dia, será julgado como tal. Em entrevista coletiva concedida nessa segunda-feira (2), o procurador disse acreditar que a decisão em primeira instância deva sair, no mínimo, em novembro deste ano.

'Não prejudiquem o povo brasileiro'

Na tarde desta quarta-feira (4), o presidente Lula fez um apelo aos controladores aéreos para manterem a normalidade nos aeroportos, e enfatizou que o governo não vai interferir nas decisões da Aeronáutica sobre o gerenciamento da crise no setor.

"A única coisa que peço aos controladores é que, se quiserem fazer alguma coisa, algum protesto contra qualquer pessoa, que façam, mas não prejudiquem o povo brasileiro, porque as pessoas querem viajar, as pessoas querem trabalhar e as pessoas querem o mínimo de tranqüilidade", afirmou o presidente a jornalistas.

Waldir Pires fica

Lula disse estar confiante de que tudo dará certo. "A Aeronáutica está com a responsabilidade de não permitir que aconteça mais isso. Obviamente que pode acontecer um ou outro atraso. Mas estou confiante e estou certo de que todo mundo que está envolvido na questão dos aeroportos está de prontidão para que não permita que haja mais sofrimento", declarou.

O presidente foi enfático sobre a manutenção de Waldir Pires no Ministério da Defesa. "Ministro sou eu quem ponho e eu quem tiro. Eu quis pô-lo, se um dia eu quiser tirá-lo eu tirarei, por enquanto não é essa a questão. A questão é que a Aeronáutica assumiu, como deveria desde o começo, a responsabilidade de manter a aviação aérea civil funcionando corretamente", disse.

Plano B e controladores estrangeiros

A Aeronáutica negou nesta quarta-feira que tenha dado início à execução do plano de contratação de controladores de vôos estrangeiros. O presidente da Infraero avalia que será "impossível" implementar a medida por causa do idioma. "Pensar que todos os controladores no Brasil falam inglês não existe. Só se forem controladores portugueses", afirmou.

O brigadeiro prevê tranqüilidade nos aeroportos durante o feriado da Páscoa. "Tenho a impressão de que a sensatez está voltando", disse ao G1.

O Comando da Aeronáutica tem em mãos um plano de emergência caso os controladores do tráfego aéreo deflagrem nova paralisação durante o feriado da Páscoa. O plano B prevê o deslocamento de 120 controladores para as regiões onde houver crise. Eles seriam levados aos Cindactas que estiverem com os serviços paralisados.

Em caso de agravamento da crise, a Aeronáutica poderá convocar 250 militares que estão na reserva e em condições de assumir as funções dos grevistas. Eles estarão de prontidão para atuar em casos emergenciais.

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More